Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

Baron Wolman

As melhores canções dos Pink Floyd compostas por Syd Barrett, segundo o baterista Nick Mason

Os primórdios dos Pink Floyd avaliados por quem lá esteve

Nick Mason tem tido uma vida ocupada desde o fim dos Pink Floyd. O baterista tem andado em digressão com a sua própria banda, os Nick Mason’s Saucerful of Secrets, sem no entanto esquecer o grupo que lhe deu fama.

No entanto, quem vir Mason ao vivo poderá não escutar canções como 'Another Brick In The Wall' ou 'Money'; o músico tem interpretado, de forma exclusiva, as canções compostas pelo grupo antes do sucesso alcançado com "The Dark Side of the Moon".

Muitas dessas canções são da autoria de Syd Barrett, membro original dos Pink Floyd, que abandonaria os britânicos em 1968. E a revista Rolling Stone aproveitou a deixa para perguntar ao baterista quais desses temas são os seus prediletos.

Veja aqui a lista das cinco melhores e as justificações de Mason:

'Astronomy Domine'

"É muito divertido tocá-la por causa do andamento. Lembra o Ginger Baker, que foi uma grande influência. A canção começa com o nosso manager a ler os nomes dos planetas - eram tempos em que os managers se envolviam nos negócios e nas decisões artísticas"

'Bike'

"A letra é muito Syd, incrivelmente inteligente. É divertida, mas há uma certa tristeza presente. Quando a ouço hoje em dia, percebo o quão jovens e imaturos éramos, e o quão desesperados ficámos por tentar perceber o esgotamento do Syd"

'Interstellar Overdrive'

"É um tema aberto à improvisação e reinterpretação. Os riffs do início podem ser livremente tocados de muitas formas diferentes"

'Vegetable Man'

"Soa bastante simples, mas é mais complicada que isso, quase punk. Houve tantas canções escritas pelo Syd num tão curto período de tempo. Menos de dois anos desde o nosso primeiro concerto, em outubro de 1967. À altura só tínhamos duas ou três originais"

'Arnold Layne'

"É uma canção muito invulgar. Faz parte daquela cena de finais da década de 60 em que, de repente, as canções eram mais do que apenas 'vou engatar-te, querida'. O estranho é que em 1966-67 pensávamos que queríamos ser uma banda R&B, e distraímo-nos desse objetivo com canções como esta"