Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

The Cranberries

JOEL SAGET/AFP/Getty Images

Cranberries recordam Dolores O'Riordan: “Só nos últimos anos começou a falar dos problemas psicológicos. Não se conhecia a ela própria”

Os três restantes elementos da banda irlandesa falam, numa nova entrevista, sobre o álbum que têm pronto e que ainda conta com a voz da cantora, falecida em janeiro

Os Cranberries têm um álbum por editar, que conta ainda com a voz de Dolores O'Riordan, vocalista falecida em janeiro passado, e os três elementos restantes da banda irlandesa deram, agora, uma entrevista ao jornal britânico Guardian na qual recordam o período final da vida da cantora. "Ela só nos últimos anos começou a falar dos problemas psicológicos, porque não se conhecia a ela própria", diz o baterista Fergal Lawler, "consultou alguns psicólogos diferentes e percebeu a doença que tinha e começou a receber tratamento".

Recorde-se que, em 2015, foi diagnosticada bipolaridade a O'Riordan. Três anos depois, a artista seria encontrada sem vida num quarto de hotel, em Londres. A causa da morte só foi revelada recentemente: afogamento na banheira, potenciado pelo consumo de uma grande quantidade de bebidas alcóolicas associado à medicação para a ansiedade e insónia que tomava. Reagindo aos resultados da autópsia, a banda disse estar ainda a tentar lidar com a sua morte e escreveu em comunicado: "a Dolores vai viver eternamente na sua música. Observar a influência positiva que ela teve na vida das pessoas tem sido uma fonte de grande conforto para nós".

"Ela estava muito melhor", defende o guitarrista Noel Hogan, "especialmente no ano passado, quando andávamos a ensaiar. Nem te apercebias que ela tinha problemas, porque os médicos tinham encontrado o cocktail perfeito da medicação que precisava de tomar". O músico acrescenta que apesar de sofrer de um problema de costas e de não se poder mover tão livremente, a cantora estava concentrada no novo álbum: "estava muito entusiasmada por voltar à estrada e queria muito tocar na China, porque era uma digressão importante para nós".

Sobre o novo álbum, que estava praticamente pronto quando O'Riordan morreu, Hogan revela: "muita coisa se passava na vida dela e estava a conseguir escrever bem. Em termos líricos, este novo álbum é muito forte. Ela sempre disse que tinha dificuldades em escrever canções quando estava feliz. Dizia sempre que bastava haver um pouco de desgraça na vida dela que tudo se tornava mais fácil". No final, o músico revela que o sucessor de "Something Else", editado em 2017, será o último álbum dos Cranberries: "vamos fazer este álbum e depois acaba. Não há necessidade de continuar".