Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

Marlon Williams

Marlon Williams, a surpresa que vem da Nova Zelândia. Estreia nacional no festival Vodafone Paredes de Coura

O músico apresenta, logo no primeiro dia do festival, 15 de agosto, o seu segundo álbum, “Make Way For Love”, inspirado pelo final da relação amorosa com a também neozelandesa Aldous Harding

Lia Pereira

Lia Pereira

Jornalista

O que é que a Nova Zelândia tem? Nos últimos anos, e no que toca à música, o país conseguiu produzir duas pedras preciosas - e, curiosamente, a ligação entre ambos já foi bem mais do que musical.

Nascido há 27 anos na banheira da casa dos seus pais, na pequenita cidade de Christchurch, Marlon Williams tem tudo para ser um dos artistas mais falados dos próximos meses. Como cartão de apresentação, chegou-nos a informação de que o cantor e compositor é o ex-namorado de Aldous Harding. No contexto da belíssima música que Mr. Williams encerra em "Make Way For Love", essa informação é relevante.

No final de 2016, Marlon e Hannah, verdadeiro nome de Aldous, puseram termo a uma relação duradoura. Ela partiu para Inglaterra, para com John Parish gravar o justamente aclamado "Party", ele diz ter ficado temporariamente em pânico para, pouco tempo depois, acabar a gravar 16 canções em 30 dias. "Foi como um crime passional", descreveu ao site The Spin Off. "Parecia que o meu corpo estava a expulsar alguma coisa, como se tivesse decidido que havia ali alguma coisa que não lhe pertencia. Foi muito assustador e genuíno."

Abençoado com uma voz clássica e meiga, Marlon exorcizou os seus fantasmas num álbum que tem em Roy Orbison e Scott Walker, ou Richard Hawley e M Ward, os seus santos padroeiros. A toada pode ser pessimista ('Love Is a Terrible Thing' é o título de uma das canções, 'Nobody Gets What They Want Anymore' chama-se o dueto - gravado à distância - com a ex Aldous), mas o ambiente é romântico, incorrigivelmente romântico.

Produzido por Noah Georgeson, que já trabalhou com Joanna Newsom, Devendra Banhart e Andy Shauf, sendo assim um dos principais 'suspeitos' por ter criado este cenário de diner sonhador, "Make Way For Love" oferece ao mundo um punhado de grandes canções ('Come To Me' ou 'I Know a Jeweller' são clássicos instantâneos) e escancara o futuro de Marlon.

Se Aldous é a calma fatal antes da tempestade, ele é a bonança e o arco-íris depois da borrasca. Abram alas para Marlon.

Publicado originalmente na edição de 24 de março de 2018 da revista E, do Expresso