Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

Assassino de John Lennon contou à mulher que iria cometer o crime

Libertação de Mark David Chapman foi novamente recusada

Gloria Hiroko Chapman, mulher do homem que matou John Lennon, Mark David Chapman, contou ao jornal britânico The Mirror que o seu marido lhe havia dito que iria matar o músico, dois meses antes do crime.

Segundo o mesmo jornal, Mark Chapman não matou Lennon nessa altura devido ao seu amor pela mulher, que insistiu para que o marido deitasse fora a arma que iria utilizar.

Quando foi noticiada a morte de Lennon, Gloria não teve dúvidas: "Foi o Mark. Dois meses antes, ele tinha ido a Nova Iorque. Voltou traumatizado, dizendo que para ser famoso teria que matar Lennon. E que o meu amor o salvou".

Mark David Chapman acabaria por regressar a Nova Iorque para cometer o crime, algo com que a sua mulher não contava. "Ele disse-me que precisava de crescer enquanto adulto e marido, e eu acreditei", revelou.

"Queria que eu passasse algum tempo sozinha para que pudéssemos viver um casamento longo e feliz. Acreditei quando ele me disse que tinha atirado a arma ao mar. Mas ele mentiu".

Gloria afirma ainda, na mesma semana em que a libertação de Mark David Chapman foi novamente recusada, que irá "esperar por ele" o tempo que for necessário.

Mark Chapman foi condenado a um mínimo de 20 anos de prisão por ter assassinado John Lennon. O homicida tem, desde então, pedido sempre a sua liberdade condicional, sem sucesso.