Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

Mundo Segundo

A caminho do MEO Sudoeste. Mundo Segundo: “A música urbana domina por completo os festivais”

O membro fundador dos Dealema é um dos principais impulsionadores da cultura hip-hop no nosso país. Regressa agora à Zambujeira do Mar para um concerto que deverá ter clássicos de uma ponta a outra

Mundo Segundo, rapper de Gaia, pode facilmente identificar-se como um dos principais impulsionadores da cultura hip-hop no nosso país. Como membro fundador dos Dealema, como produtor ou engenheiro de som em incontáveis gravações históricas de outros artistas ou como 50 por cento de uma celebrada dupla com Sam The Kid, Mundo Segundo tem dado combustível aos ouvidos de sucessivas gerações de ouvintes de rap e pisado palcos incansavelmente, dos mais recônditos clubes aos principais festivais, de norte a sul do país. Com uma prestação ao vivo sempre enérgica, Mundo Segundo regressa agora à Zambujeira do Mar para um concerto que, alerta o próprio artista, deverá ter surpresas.

Como tem sido o seu ano até agora?
Tem sido um ano muito positivo carregado de concertos por todo o país. Mas o momento mais alto talvez tenha sido o das viagens de finalistas em Espanha. Mas devo também mencionar o concerto na Queima das Fitas de Coimbra, um espetáculo especial que foi preparado com um vasto rol de convidados e que me encheu o coração.

E o que aí vem?
Neste momento existem várias obras a serem preparadas no segredo dos deuses, tanto de produção como de escrita, mas assim no imediato estamos a trabalhar num novo vídeo de Mundo Segundo e Sam The Kid e esse será o próximo passo.

Como tem corrido esta época festivaleira, tanto em cima como fora do palco?
O feedback do público tem sido incrível em todos os concertos sem exceção. Este ano ainda não tive grande tempo para ver concertos, sinal da quantidade de trabalho com que tenho estado envolvido. Gostava de ter visto Anderson .Paak [no Super Bock Super Rock] e Joey Bada$$ [no Sumol Summer Fest] mas estava em trabalho e não consegui. Talvez surjam mais oportunidades.

Que tem preparado para o MEO Sudoeste?
Estamos a preparar um concerto com clássicos de uma ponta à outra com espaço para algumas novidades e até convidados pelo meio!

Já frequentou este festival como espectador?
Sim, mas já foi há mais de uma década. Depois fui espectador e parte do cartaz em simultâneo, o que é uma vantagem, sem duvida!

O MEO Sudoeste centra-se há vários anos na música urbana. É uma tendência que alastra...
Sim, as músicas mais urbanas têm vindo a ganhar terreno nos festivais, mas acho que tudo são fases pois na música tudo é feito de ciclos, e este não será diferente. Não há como negar que a música urbana domina por completo grande parte dos festivais.