Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Opinião

Damien Jurado

As canções aladas de Damien Jurado

Como escreveu o amigo Father John Misty sobre o anterior “Brothers and Sisters…”, “O Damien é todas as personagens de todas as suas canções. É a arma, o papa-formigas roxo, as asas de papel, a avalanche, o desastre aéreo, o Ohio, o fantasma da mulher do melhor amigo”. Em outubro, Mr. Jurado regressa a Portugal para dois concertos

Lia Pereira

Lia Pereira

Jornalista

“I arrived at two from a thought I had” – como qualquer grande escritor, Damien Jurado escolhe com parcimónia todas as palavras, nomeadamente aquelas com que dá início a mais um disco da sua discreta mas rica carreira. Gravado num ápice, “The Horizon Just Laughed” nasceu de um período de reclusão a que se remeteu, em idos de 2016. Desligando-se do mundo, o que no século XXI significa trocar o telemóvel por um número de rede fixa e deixar de consumir internet, o norte-americano conseguiu escapar a fenómenos globais como a eleição de Donald Trump. O passo seguinte foi embarcar num avião rumo ao sul da Califórnia, onde em segredo gravou o seu álbum número 13. Depois de uma longa colaboração com Richard Swift (que viria a falecer este ano), o cantor e compositor chamou a si a produção de um disco inspirado, tal como a generalidade da sua obra, por sonhos e vagas noções de vidas passadas, presentes e futuras.

‘Allocate’, cujo primeiro suspiro é a deixa que começámos por citar, dá o tom: ao contrário dos anteriores “Visions of Us on the Land” (2016), “Brothers and Sisters of the Eternal Son” (2014) e “Maraqopa” (2012), este é um disco quente e terreno, menos dado a arroubos psicadélicos ou elétricos. Com cordas insuflando todos os recantos certos, respira uma benfazeja aragem soul-folk, em canções tão sonhadoras como ‘Dear Thomas Wolfe’ (escritor da alvorada do século XX) ou ‘Percy Faith’, referência ao músico canadiano do mesmo nome (1908 – 1976).

Durante o seu ‘exílio’, este filho adotivo de Seattle mergulhou nos programas que marcaram a sua infância mas, apesar das menções a ícones de outras eras (como o ator ‘Marvin Kaplan’), os ‘fantasmas’ nunca se apropriam do disco e é a voz, perpetuamente pura, de Damien Jurado que se faz ouvir. Como escreveu o amigo Father John Misty sobre “Brothers and Sisters…”, “O Damien é todas as personagens de todas as suas canções. É a arma, o papa-formigas roxo, as asas de papel, a avalanche, o desastre aéreo, o Ohio, o fantasma da mulher do melhor amigo. É um universo autónomo, com o seu próprio simbolismo, mito criacionista e liturgia”. Amén.


The Horizon Just Laughed
Damien Jurado
Secretly Canadian/Popstock


4/5


Damien Jurado atua no Jameson Urban Routes, no Musicbox, em Lisboa, a 23 de outubro, e no Theatro Circo de Braga a 24 do mesmo mês.

Publicado originalmente na revista E, do Expresso, a 11 de agosto de 2018