Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Vídeos

Morrissey diz que foi interrogado pelos Serviços Secretos americanos

Morrissey havia dito, em entrevista, que mataria Donald Trump "a bem da humanidade"

Morrissey voltou a defender-se das declarações que prestou ao jornal alemão Der Spiegel, que lhe valeram várias críticas pela aparente defesa de Harvey Weinstein e do ator Kevin Spacey, acusados de abusos sexuais.

Num vídeo partilhado no YouTube, Morrissey criticou o que considera ser uma "imprensa odiosa" que terá levado a que o seu novo álbum, Low In High School, não obtivesse os resultados pretendidos em termos de vendas ou críticas.

"Em primeiro lugar, eles [imprensa] ficam muito zangados ou excitados se parares para dizer algo que as pessoas ouçam ou que reflita a sua vontade", disse. "Ficam muito nervosos. Não o permitem, calam-no".

"Não estão a ouvir a música. Não estão a ouvir nada, na verdade. Veem o meu nome e querem livrar-se dele o mais depressa possível. E, de muitas maneiras, conseguem-no".

O músico britânico revelou ainda que os seus comentários sobre Donald Trump ao Der Spiegel, onde disse que mataria o atual presidente norte-americano "a bem da humanidade", lhe valeram uma visita dos Serviços Secretos daquele país.

"Foram muito simpáticos, [mas] não sei se poderei voltar a entrar livremente na América", explicou. "Tenho de ver se o poderei fazer".

Veja aqui o vídeo de Morrissey: