Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Vídeos

A ciência explica porque continuamos a perceber mal algumas letras de músicas

São muitos os casos, na história da pop, de versos de canções que percebemos de forma diferente

"Purple Haze", de Jimi Hendrix, não é só uma das canções mais celebradas do rock; é também um dos mais célebres casos de mondegreens, um neologismo que designa uma percepção imprecisa de uma frase ou conjunto de palavras, e que é então trocado por uma homofonia.

A própria palavra, em inglês, tem origem na interpretação incorrecta de um verso da balada tradicional escocesa "The Bonny Earl o'Moray", que é lido por muitos como Lady Mondegreen por oposição a laid him on the green, a expressão certa.

Em "Purple Haze", são muitos os que interpretam excuse me while I kiss the sky como excuse me while I kiss this guy - um erro com o qual o próprio Hendrix brincou, em alguns concertos.

A ciência diz que estes casos, para além de comuns, têm uma explicação. Um estudo realizado em 2014 afirma que as nossas expectativas influenciam a nossa perceção, ou seja, quando uma voz se encontra em "choque" com música de fundo alta, os nossos cérebros tentam fazer uma combinação entre aquilo que ouvimos e aquilo que esperamos ouvir.

Veja um vídeo que explica estes casos, e que recorre não só a "Purple Haze" como a "Blank Space", de Taylor Swift: