Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Vídeos

Florence gravou um filme. “The Odyssey” estreia na próxima semana

Curta-metragem é da responsabilidade do realizador Vincent Haycock e foi criada para o mais recente álbum de Florence + The Machine

Florence Welch juntou-se ao realizador Vincent Haycock - responsável pelos vídeos de "What Kind of Man" ou "Delilah" e também de "West Coast", de Lana Del Rey - e gravou a curta-metragem "The Odyssey".

O filme, criado para o mais recente álbum de Florence + The Machine, How Big, How Blue, How Beautiful, estreia na próxima quarta-feira, dia 20, em Londres, dois dias depois de a artista atuar na MEO Arena, em Lisboa.

Na quinta-feira, a partir das 19h00, o filme estará disponível em streaming no site oficial de Florence, com a artista e o realizador a responderem, uma hora depois, às perguntas dos fãs no Facebook.

"The Odyssey" tem 47 minutos e une os vários vídeos criados para canções de How Big, How Blue, How Beautiful - além do tema-título, "What Kind of Man", "St. Jude", "Ship to Wreck", "Queen of Peace" e "Delilah" -, juntando-lhes novas cenas, que os ligam, e um sétimo capítulo, referente ao tema "Third Eye".

"É a conclusão de um projeto muito pessoal", diz a artista em comunicado oficial, "surgiu de uma conversa entre mim e o Vince no Chateau Marmot, há ano e meio (...) sobre o fim tumultuoso de uma relação que estava a atravessar".

Essa experiência, diz Florence é recontada na curta-metragem: "íamos reclamar para nós esta experiência, reimaginá-la e, sob algumas perspetivas, talvez a fosse compreender e exorcizar. Aí começou esta 'Odyssey'". Hancock acrescenta "é como um poema épico de Homero, uma viagem. É a viagem pessoal de Florence na sua autodescoberta, depois da tempestade emocional que atravessou com o fim de uma relação".

"Como os vários níveis do purgatório de Dante, cada canção e cada capítulo representam uma batalha que Florence teve de enfrentar e a paisagem física que encarna cada música ou história", diz ainda o realizador, "é uma viagem metafórica de como ela escapa aos seus demónios, confrontando-se consigo mesma e regressando à Florence original, a dançarina, a performer, a amante".