Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

Vodafone Paredes de Coura: Blood Red Shoes brindam ao Minho

A dupla de Brighton voltou ao sítio onde foi feliz, em 2009, e seduziu a ampla plateia com doses equilibradas de energia e brilho pop.

Blood Red Shoes
1 / 13

Blood Red Shoes

Blood Red Shoes
2 / 13

Blood Red Shoes

Blood Red Shoese
3 / 13

Blood Red Shoese

Blood Red Shoes
4 / 13

Blood Red Shoes

Blood Red Shoes
5 / 13

Blood Red Shoes

Blood Red Shoes
6 / 13

Blood Red Shoes

Blood Red Shoes
7 / 13

Blood Red Shoes

Blood Red Shoes
8 / 13

Blood Red Shoes

Blood Red Shoes
9 / 13

Blood Red Shoes

Blood Red Shoes
10 / 13

Blood Red Shoes

Blood Red Shoes
11 / 13

Blood Red Shoes

Blood Red Shoes
12 / 13

Blood Red Shoes

Blood Red Shoes
13 / 13

Blood Red Shoes

Laura-Mary Carter na guitarra e no copo de vinho, pousado delicadamente sobre o amplificador Marshall, Steven Ansell na bateria e na cerveja que ergue para brindar ao público português: "como se diz cheers em português?", tenta o britânico, ouvindo uma miríade incompreensível de respostas. "Isso!", simplifica. Os Blood Red Shoes, que já haviam tocado em Paredes de Coura há seis anos, são só dois mas fazem "barulho" suficiente para conquistar a plateia minhota, onde convivem animadamente espectadores nacionais, espanhóis, ingleses e até italianos (falamos apenas, naturalmente, dos idiomas que ouvimos no tapete verde). Ainda que sejam uma dupla, o que se ouve da banda de Brighton, em Inglaterra, que vai partilhando as vocalizações, não passa tanto pelo blues rock de uns White Stripes ou Black Keys, mas sim por um rock veloz, por vezes apunkalhado, com uma discreta camada de verniz que, a espaços, nos lembra aquele glam-pop dos Placebo. Comunicando com o público de forma amigável, os Blood Red Shoes passeiam com vontade pela sua discografia, apresentando "I Wish I Was Someone Better", "Cold" (palavra que, por enquanto e felizmente, não se aplica à noite courense), "Black Distractions", dedicada a um fã (?) chamado Miguel ou "Red River". O que têm em carisma e competência, nomeadamente na escola que lembra as dinâmicas Pixies/Nirvana, os ingleses parecem perder em canções verdadeiramente memoráveis, por comparação, por exemplo, a uns The Kills, com quem Laura-Mary Carter partilha algum do charme felino de Alison Mosshart. Caso tivessem vindo atuar "a solo", os Blood Red Shoes não tocariam, certamente, para tanta gente. Mas a verdade é que, esta noite, souberam aproveitar a dimensão da plateia que encontraram à sua frente, conduzindo o espetáculo a um bom ritmo até à despedida, com "Colours Fade". Lia Pereira Fotos de: Rita Carmo/Espanta Espíritos