Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

Vodafone Mexefest: Peaches puxa Da Chick para o palco e dá banho de champanhe aos fãs

A sempre irrequieta artista canadiana apresentou-se em formato live act mas nem por isso foi menos intensa. E, como já se tornou hábito, caminhou nas mãos dos seguidores.

Peaches
1 / 19

Peaches

Peaches
2 / 19

Peaches

Peaches
3 / 19

Peaches

Peaches
4 / 19

Peaches

Peaches
5 / 19

Peaches

Peaches
6 / 19

Peaches

Peaches
7 / 19

Peaches

Peaches
8 / 19

Peaches

Peaches
9 / 19

Peaches

Peaches
10 / 19

Peaches

Peachesn
11 / 19

Peachesn

Peaches
12 / 19

Peaches

Peaches
13 / 19

Peaches

Peaches
14 / 19

Peaches

Peaches
15 / 19

Peaches

Peaches
16 / 19

Peaches

Peaches
17 / 19

Peaches

Peaches
18 / 19

Peaches

Peaches
19 / 19

Peaches

Um concerto de Peaches é sempre uma festa e o espetáculo "one woman show" que levou hoje ao palco do Tanque, no edifício do Ateneu, paredes meias com o Coliseu dos Recreios, não desiludiu. A artista canadiana tem novo álbum para mostrar e dispensou banda para se apresentar numa espaço pouco convencional - uma piscina - a rebentar pelas costuras. A fila para entrar já era longa horas antes do início da atuação e os últimos a entrar pouco ou nada terão conseguido ver.

Merrill Nisker, do alto dos seus 47 anos, provou que a idade não a domou e que a sua postura punk se mantém intacta num espetáculo que teve de tudo: canções tão poderosas quanto "Talk to Me" (durante a qual aproveitou para subir a uma coluna), a explosiva "Boys Wanna Be Her" ou a velhinha "Fuck the Pain Away", guardada sabiamente para o final; um dueto com a portuguesa Da Chick, que subira àquele mesmo palco horas antes e regressou para substituir Kim Gordon em "Close Up", cartão-de-visita de Rub, o novo álbum, do qual também também saiu, momentos mais tarde, a explícita "Dick in the Air"; uma dança agressiva com dois bonecos insufláveis em "Mommy Complex"; e a já habitual caminhada nas mãos dos fãs ("não tenham medo"), ao som de "I Feel Cream".

Já no final, antes de abandonar o palco com a sua gigante mala de viagem, Peaches pegou em duas garrafas de espumante e "regou" as filas da frente, pegando também num copo para brindar com os fãs. Houve ainda tempo para um último momento de rebeldia: pegou numa toalha, limpa as partes baixas, e ofereceu-a a quem a quis apanhar. Quer se faça acompanhar por uma banda ou se apresente sozinha em palco, cantando e misturando a própria música, a canadiana continua a mostrar como se faz para ter o público na mão durante hora e meia.

Texto: Mário Rui Vieira

Fotos: Rita Carmo/Espanta Espíritos 

98758 ,