Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

Tame Impala hoje no Vodafone Paredes de Coura: "Odiava o som do r&b dos anos 90, era um miúdo do grunge"

O projeto de Kevin Parker atua no festival minhoto e a BLITZ falou com ele no mês passado, antes de Currents, o novo álbum de estúdio, chegar às lojas.

Os Tame Impala são os cabeças de cartaz deste segundo dia do festival Vodafone Paredes de Coura - estando previsto subirem ao palco às 00h45 - e a BLITZ falou com Kevin Parker, mentor da banda, antes ainda da edição de Currents, o mais recente álbum de originais. Leia um excerto da entrevista abaixo. 

Foi já em 2015 que se tornou aparente que um novo disco de Tame Impala estaria a caminho. "Let It Happen", o primeiro sinal concreto de Currents, foi largado sobre o mundo como um download gratuito em março último, anunciando uma primavera diferente para Kevin Parker. Mais pop, mais dançante, mais eletrónico. O álbum, esse, troca as voltas e das referências à psicadelia colheita sixties do início passa-se num ápice para o hip-hop e r&b modernos, embora Kevin comece por apontar os focos da inspiração aos omnipresentes anos 90: "foi algo declarado para mim, a vontade de citar o universo do hip-hop e do r&b, que é algo que tem um peso nostálgico para mim". Mas não pelas razões que se pensaria: "o r&b dos anos 90, quando era algo presente, era um som que eu odiava. Nesse tempo eu era um miúdo do grunge, do rock and roll. Adorava guitarras e distorção e rock pesado. O r&b que também tocava na rádio, eu odiava, ou  forçava-me a odiar. E foi só quando cresci que percebi que essa música tem afinal um valor especial para mim e que tem a mesma capacidade de me transportar para um determinado período da minha vida. Por isso, para mim, o r&b dos anos 90 é o som mais nostálgico que consigo encontrar. Faz mais sentido para mim do que a nostalgia dos anos 60 ou 70 que não é uma nostalgia real. É a fingir, porque nós não vivemos esse período. É uma nostalgia à Hollywood, fabricada", esclarece Kevin Parker.    

Entrevista realizada por Rui Miguel Abreu e publicada na BLITZ de julho.