Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

RTP fica sem Top + e Câmara Clara

Programas dedicados à música e à divulgação cultural, respetivamente, vão deixar de ser transmitidos pelo canal público.

Os programas Top + e Câmara Clara, dedicados à música e à divulgação cultural, respetivamente, vão deixar de ser emitidos pela RTP.



O fim do Top +, o programa mais duradouro da RTP a seguir ao Telejornal, foi comunicado recentemente aos responsáveis do mesmo e às editoras discográficas, mas poderá não ser definitivo.



Ao Correio da Manhã, Eduardo Simões, da Associação Fonográfica Portuguesa, co-responsável pelo programa, disse que a AFP vai procurar manter o Top +, negociando a sua transmissão com outros canais de televisão.



O Top +, que ao longo de mais de 20 anos foi apresentado por figuras como Catarina Furtado ou João Vaz, e atualmente é conduzido por Isabel Figueiras e Francisco Mendes, resulta de uma parceria com a AFP, que cede à RTP a divulgação exclusiva das tabelas dos discos mais vendidos em Portugal.



Nos últimos anos, o Top + apresentou igualmente breves atuações ao vivo em estúdio e entrevistas com artistas em promoção dos seus trabalhos.



O Top + deixa de ser exibido no final de dezembro.



Também ao Correio da Manhã, Eduardo Simões lembra que o Top + foi "campeão em share de audiências no seu horário e resistiu a todas as contraprogramações possíveis e imaginárias".



Ainda no final deste ano chega ao fim o programa Câmara Clara, na RTP2. Exibido de segunda a sexta, num formato mais curto, e ao domingo, numa versão alargada, Câmara Clara é apresentado por Paula Moura Pinheiro há seis anos e meio.



A decisão já fora comunicada ao ex-diretor de programas da RTP2, Jorge Wemans, no passado mês de junho.



Em comunicado citado pelo Público, a apresentadora disse orgulhar-se "do serviço que prestámos. Um serviço que é uma das faces, inegociável, do serviço público de TV".



Paula Moura Pinheiro, que é também sub-diretora de programação da RTP2, comenta ainda: "A questão, premente, é a de saber que meios, que espaço e que visibilidade reserva o serviço público de televisão à cobertura de uma das áreas nevrálgicas do desenvolvimento do país: a inovação nas artes e nas ideias e a conservação do nosso extenso e precioso património cultural - da literatura à arquitetura", aceitando ao mesmo tempo "a ideia de que haja quem pode cumprir melhor a missão que nos estava atribuída". 



Na internet circula já uma petição pela continuidade do Câmara Clara.



Também recentemente chegou ao fim o programa Planeta Música, que ao sábado, pelas 2h, apresentava na RTP1 atuações ao vivo de artistas portugueses.