Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

Quando eles vão dentro (inclui Scott Weiland) [ARQUIVO]

Um dia depois da morte de Scott Weiland, músico que conheceu assinalável historial de problemas com a justiça, recuperamos um artigo de 2009 sobre os mais afamados 'casos de polícia' no 'circo' rock.

Scott Weiland Ex-Stone Temple Pilots e ex-Velvet Revolver Crime: Violação de pena suspensa. Relatório: Em 1999, foi preso e condenado depois de violar por três vezes a pena suspensa a que estava sujeito por ter sido apanhado em posse de heroína. Antes disso já tinha sido detido e recentemente voltou a ter problemas com a justiça ao ser apanhado a conduzir sob o efeito de álcool. Pena: Aproximadamente um ano de prisão. Pete Doherty Vocalista dos Libertines e Babyshambles, artista a solo Crime: Violação de pena suspensa. Relatório: A 8 de Abril de 2008, foi preso por não ter acatado ordens de um juiz e ter continuado a consumir drogas e a conduzir sob o efeito de substâncias ilícitas. Já tinha estado detido em 2003 e em 2005. Pena: 14 semanas de prisão, reduzida para menos de um mês. Lil' Kim Rapper norte-americana Crime: Conspiração e perjúrio. Relatório: Presa em Julho de 2005 por ter mentido em tribunal para proteger dois amigos condenados na sequência de num tiroteio, no exterior de uns estúdios nova-iorquinos. Kim disse não saber que os dois indivíduos estavam no local do crime, mas as câmaras de segurança do edifício captaram-na a sair do estúdio com eles. Pena: Um ano e um dia de prisão, mais 30 dias de prisão domiciliária e três anos de pena suspensa. Acabou por ver a pena reduzida para dez meses. Varg Vikernes Músico norueguês de death metal Crime: Assassinato e incêndio de igrejas. Relatório: Em 1994, o também activista de extrema-direita foi condenado por assassinar o até então amigo Øystein Aarseth, guitarrista dos Mayhem, com 23 facadas. A justificação para o crime nunca foi divulgada. O músico foi também condenado por incendiar várias igrejas cristãs. Pena: 21 anos de prisão (pena máxima na Noruega), dos quais cumpriu 16 anos. Em Março de 2009, foi anunciada a sua libertação. Bertrand Cantat Vocalista dos franceses Noir Désir Crime: Homicídio involuntário Relatório Em 2003, atacou a namorada Marie Trintignant, após uma discussão, num quarto de hotel em Vilnius, capital da Lituânia. Poucos dias depois, Trintignant morreu no hospital, depois de ter estado em coma profundo causado por 19 pancadas na cabeça. Pena: Oito anos de prisão, dos quais cumpriu metade. Saiu da cadeia em 2007. Courtney Love Ex-vocalista das Hole e viúva de Kurt Cobain (Nirvana) Crime: Posse e consumo de droga. Relatório: Em 2003, foi detida depois de ter partido a janela de casa de um ex-namorado (e ex-agente). Quarenta minutos depois de pagar a fiança e sair em liberdade, Love sofreu uma overdose e foi levada para o hospital, sendo depois acusada de agir sob a influência de drogas. Pena 18 meses num programa de reabilitação. George Michael Ex-vocalista dos Wham! e artista a solo Crime: Atentado ao pudor. Relatório: Em Abril de 1998, foi detido depois de ter tentado seduzir (de forma sexualmente explícita) um agente da polícia à paisana numa casa de banho pública de um parque em Los Angeles. Pena: Multa no valor de 810 dólares (aproximadamente 600 euros) e 80 horas de serviço comunitário. James Brown Inventor do funk e padrinho da soul Crime: Roubo em 1949, posse de drogas, resistência à autoridade, fuga. Relatório: Foi preso pela primeira vez aos 17 anos, por roubar roupas de carros estacionados. Em 1988, voltou a ser preso por ter puxado de uma arma no seu escritório e protagonizado uma fuga à polícia ao longo de dois estados. Ao todo, foi preso oito vezes. Pena: Duas penas de três anos cada (em 1949 e 1988). Paul McCartney Membro dos Beatles e dos Wings, artista a solo Crime: Posse de marijuana. Relatório: Em 1980, foi preso no aeroporto de Tóquio após os agentes alfandegários terem encontrado cerca de 200 gramas de marijuana na sua bagagem. McCartney foi levado para a cadeia até as autoridades o deportarem proibindo-o de regressar ao Japão (proibição levantada em 1990 para um concerto). Pena: 10 dias de cadeia. Jim Morrison Vocalista dos Doors Crime: Incitamento à violência, atentado ao pudor. Relatório: Em 1967, apelou à violência contra a polícia em New Haven dizendo em palco que tinha sido gaseado por agentes nos bastidores. Em 1969, voltou a ter problemas por se despir em palco e usar palavrões. Foi preso pelo xerife de Dade County, estado da Florida. Pena: Condenado a oito meses de prisão, mas interpôs recurso e mudou-se para Paris, onde viria a falecer. Sid Vicious Baixista dos Sex Pistols Crime: Atentado à integridade física. Relatório: Foi acusado de vários crimes, incluindo uma acusação de assassinato de Nancy Spungen, sua namorada, que apareceu esfaqueada num quarto do hotel Chelsea, em Nova Iorque. Mas a pena que cumpriu em Ryker's Island foi por ter atacado o irmão de Patti Smith, Todd, logo após ter saído do hospital psiquiátrico de Bellevue, onde foi internado após tentativa de suicídio. Pena: 55 dias de prisão. Rick James Cantor de "Superfreak" Crime: Rapto, atentado à integridade física, posse de drogas. Relatório: Teve diversos problemas com a lei, mas em 1991 foi preso devido a dois incidentes separados, mas semelhantes: rapto, ataque de duas mulheres em conluio com a sua namorada, Tanya Hijazi, e posse de substâncias ilícitas. O julgamento e a condenação tiveram lugar em 1993. Pena: Dois anos de prisão na famosa cadeia de Folsom. Axl Rose Vocalista dos Guns n' Roses Crime: Beber em público, atentado à integridade física, desordem pública. Relatório: Preso mais de 20 vezes na adolescência, nunca foi condenado. Em 1992, foi dentro, acusado de atentado contra a propriedade alheia após confrontos em St. Louis. Em 2006, foi preso em Estocolmo, depois de atacar o segurança de um hotel. Pena: Dois anos de pena suspensa pelo caso de St. Louis e umas horas de cadeia mais seis mil dólares de multa pelo episódio sueco. Arthur Lee Líder dos Love Crime: Atentado à integridade física, posse de drogas, disparo e posse de arma ilegal. Relatório: Em 1996, foi preso e condenado a doze anos de prisão por posse e disparo negligente de arma ilegal. A existência de cadastro forçou o cumprimento de pena de prisão. Arthur Lee acabou por ser libertado antes do termo da pena por se terem descoberto actos de conduta ilícita por parte do procurador público. Pena: 5 anos e meio na prisão estatal de Pleasant Valley, na Califórnia. Textos: Mário Rui Vieira e Rui Miguel Abreu. Foto: Getty Images Originalmente publicado na BLITZ de junho de 2009