Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

Patti Smith: 'Quando gravei o Horses, não era uma grande cantora'

Em entrevista à revista E, do Expresso, hoje nas bancas, Patti Smith, que ontem e anteontem atuou no Nos Primavera Sound, no Porto, fala sobre o disco de 1975.

Uma das grandes estrelas do Nos Primavera Sound, que hoje chega ao fim no Parque da Cidade, no Porto, Patti Smith dá uma entrevista à revista E, do Expresso, hoje nas bancas. Realizada em Barcelona, em colaboração com a SIC, a conversa versa "Horses", o seminal álbum que a norte-americana ontem recordou no Porto, e outros temas. Veja aqui um breve excerto da entrevista:
Patti Smith
1 / 24

Patti Smith

Patti Smith
2 / 24

Patti Smith

Patti Smith
3 / 24

Patti Smith

Patti Smith
4 / 24

Patti Smith

Patti Smith
5 / 24

Patti Smith

Patti Smith
6 / 24

Patti Smith

Patti Smith
7 / 24

Patti Smith

Patti Smith
8 / 24

Patti Smith

Patti Smith
9 / 24

Patti Smith

Patti Smith
10 / 24

Patti Smith

Patti Smith
11 / 24

Patti Smith

Patti Smith
12 / 24

Patti Smith

Patti Smith
13 / 24

Patti Smith

Patti Smith
14 / 24

Patti Smith

Patti Smith
15 / 24

Patti Smith

Patti Smith
16 / 24

Patti Smith

Patti Smith
17 / 24

Patti Smith

Patti Smith
18 / 24

Patti Smith

Patti Smith
19 / 24

Patti Smith

Patti Smith
20 / 24

Patti Smith

Patti Smith
21 / 24

Patti Smith

Patti Smith
22 / 24

Patti Smith

Patti Smith
23 / 24

Patti Smith

Patti Smith
24 / 24

Patti Smith

Agora que se assinalam os 40 anos do álbum, como lhe parece que o tempo tem tratado "Horses"? Quando o gravei, era bastante jovem. Não sabia muito sobre gravar, não era uma grande cantora. Mas tudo o que sabia e queria projetar, fosse sobre espiritualidade, política, poesia ou homenagens... tudo o que sabia naquela altura está naquele álbum. Claro que desde então evoluí, mas para mim o álbum continua a ter valor. Não digo que seja um álbum perfeito, de todo, mas era o melhor que sabia fazer. E sinto que não envelheceu, mas sim que sobreviveu ao teste do tempo, porque as pessoas ainda o consideram relevante, o que me orgulha.