Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

O Sol da Caparica: PAUS entre o caos e a arrumação

Melodias cativantes e ritmos a condizer a precisarem de alguma ordem, ontem, no festival da Costa da Caparica.

O Sol da Caparica: PAUS
1 / 10

O Sol da Caparica: PAUS

O Sol da Caparica: PAUS
2 / 10

O Sol da Caparica: PAUS

O Sol da Caparica: PAUS
3 / 10

O Sol da Caparica: PAUS

O Sol da Caparica: PAUS
4 / 10

O Sol da Caparica: PAUS

O Sol da Caparica: PAUS
5 / 10

O Sol da Caparica: PAUS

O Sol da Caparica: PAUS
6 / 10

O Sol da Caparica: PAUS

O Sol da Caparica: PAUS
7 / 10

O Sol da Caparica: PAUS

O Sol da Caparica: PAUS
8 / 10

O Sol da Caparica: PAUS

O Sol da Caparica: PAUS
9 / 10

O Sol da Caparica: PAUS

O Sol da Caparica: PAUS
10 / 10

O Sol da Caparica: PAUS

Mesmo a maior desorganização depende de um fio condutor para ser agradável ao ouvido, e a verdade é que as músicas dos Paus carecem de um equilíbrio entre arrumação e desarrumação. Pegue-se no exemplo de "Muito Mais Gente", um dos temas interpretados no concerto de ontem à noite, n'O Sol da Caparica: começa da melhor forma, com uma melodia cativante e um ritmo de bateria a condizer, mas rapidamente se perde em crescendos confusos (descontrolados, até?), deixando-se perdida num limbo entre o tudo e o nada. Em álbum, esta faceta caótica dos Paus ainda é passível de algum controlo - o estúdio ainda consegue ser uma espécie de diapasão na hora de gravar e editar. Porém, é ao vivo que a desorganização acaba por ganhar maior dimensão. As baterias de Hélio Morais e Joaquim Albergaria atropelam-se, quebrando o sentido rítmico de grande parte das músicas; os sintetizadores e baixos ajudam a que se crie um maior desentendimento entre instrumentos. O que nos chega aos ouvidos é algo estranho e indefinido; com princípio, mas sem meio e fim. A precisar de um tira-teimas. Texto: Manuel Rodrigues Fotos: Dário Cruz