Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

O Sol da Caparica: a irreverência de Legendary Tigerman toma conta do palco BLITZ

Descarga de energia no palco BLITZ, com direito a aviso prévio e atitude rock a condizer.

The Legendary Tigerman n'O Sol da Caparica
1 / 10

The Legendary Tigerman n'O Sol da Caparica

The Legendary Tigerman n'O Sol da Caparica
2 / 10

The Legendary Tigerman n'O Sol da Caparica

The Legendary Tigerman n'O Sol da Caparica
3 / 10

The Legendary Tigerman n'O Sol da Caparica

The Legendary Tigerman n'O Sol da Caparica
4 / 10

The Legendary Tigerman n'O Sol da Caparica

The Legendary Tigerman n'O Sol da Caparica
5 / 10

The Legendary Tigerman n'O Sol da Caparica

The Legendary Tigerman n'O Sol da Caparica
6 / 10

The Legendary Tigerman n'O Sol da Caparica

The Legendary Tigerman n'O Sol da Caparica
7 / 10

The Legendary Tigerman n'O Sol da Caparica

The Legendary Tigerman n'O Sol da Caparica
8 / 10

The Legendary Tigerman n'O Sol da Caparica

The Legendary Tigerman n'O Sol da Caparica
9 / 10

The Legendary Tigerman n'O Sol da Caparica

The Legendary Tigerman n'O Sol da Caparica
10 / 10

The Legendary Tigerman n'O Sol da Caparica

"Wild Beast", um dos temas que integrou o alinhamento do concerto de Legendary Tigerman, ontem à noite, n'O Sol da Caparica, carregado de rock até mais não, é quase um cartão de visita à sua música, personalidade e atitude em palco. Paulo Furtado não poupa esforços na altura de se apresentar ao vivo, e fá-lo de alma e coração. Aqueles que o acompanham na missão (Paulo Segadães na bateria, Filipe Costa nas teclas e João Cabrita no saxofone barítono, com o qual o vocalista e guitarrista manteve sempre uma picardia de pergunta resposta - agora tocas tu, agora toco eu) não lhe ficam atrás, o que leva a que os seus concertos sejam servidos com intensidade máxima, de tal forma que os roadies acabam por passar grande parte da atuação a ajeitar os microfones que os músicos quase derrubam.

No concerto de ontem, The Legendary Tigerman vestiu rock n roll de forma rigorosa e deixou um aviso àqueles que pudessem eventualmente estar noutra sintonia: "se vocês não gostarem muito de rock'n'roll, acho que vai ser uma noite fodida...". Alerta dado, só ficou quem quis. Paulo Furtado tem tudo aquilo que é possível amar e odiar no estilo de música que articula. Tem a vertente energética e possante capaz de levar uma audiência ao êxtase, mas também tem a faceta da irreverência e dos palavrões que despoletam alguns comentários menos positivos na plateia. E o mais engraçado no final desta história, ou no final dos seus concertos, é que o seu talento e entrega acabam sempre por declará-lo vitorioso no campo de batalha. Mesmo depois de fazer de conta que viola um monitor em palco, enquanto interpreta "21st Century Rock'n'Roll", mesmo depois de atirar o microfone ao ar e este cair com um grande estrondo no chão, no final da performance. É um verdadeiro animal de palco.

Texto: Manuel Rodrigues

Fotos: Dário Cruz