Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

O que liga Adolfo Luxúria Canibal a Mac DeMarco? Mikal Cronin no NOS Primavera Sound

Concerto do músico californiano pedia um sol crepuscular, mas o Porto decidiu mostrar-se cinzento. E nós explicamos o título desta reportagem já a seguir.

Mikal Cronin
1 / 12

Mikal Cronin

Mikal Cronin
2 / 12

Mikal Cronin

Mikal Cronin
3 / 12

Mikal Cronin

Mikal Cronin
4 / 12

Mikal Cronin

Mikal Cronin
5 / 12

Mikal Cronin

Mikal Cronin
6 / 12

Mikal Cronin

Mikal Cronin
7 / 12

Mikal Cronin

Mikal Cronin
8 / 12

Mikal Cronin

Mikal Cronin
9 / 12

Mikal Cronin

Mikal Cronin
10 / 12

Mikal Cronin

Mikal Cronin
11 / 12

Mikal Cronin

Mikal Cronin
12 / 12

Mikal Cronin

Mikal Cronin é o que, imbuídos do livro de estilo da crítica nos anos 90, denominaríamos de um devoto do power pop. A sua música, elétrica e melodiosa, pega na herança dos Byrds (anos 60), acrescenta-lhe a demão cristalina dos Big Star (anos 70), não vira as costas aos ensinamentos dos R.E.M. (no início dos 80s) e também não é muito distinta da reapropriação do legado - ou seja, a síntese - operada por uma miríade de bandas anónimas que, lá está, faziam o que se convencionou chamar de power pop (nos anos 90). Por isso, não é de estranhar que Mikal Cronin - membro da banda de Ty Segall (sim, memórias do Primavera 2014) - faça todo o sentido em 2015, numa altura em que todas as revisões de matéria podem escolher a década e a estilística a que beber - ena, que o rock está a ficar velhote. A música de Mikal Cronin - homem que faz subir a guitarra quase ao nível do peito - é açucarada, pejada de ganchos e refrães adoráveis, leite condensado para deglutir até fartar. Os três álbuns que traz no bornal são tão parecidos e tão bem parecidos que metade do trabalho está feito: ao vivo, é só carregar um pouco no volume e no fuzz e o público, ainda meio desorientado em princípio de festa, adere timidamente. Quem tem canções como "Weight", "Change", "Turn Around" ou "Made My Mind Up" tem, decididamente, alguma coisa. De lado, sobre o palco, Mac DeMarco, que pouco depois subiria ao palco principal do festival, parece bem entretido. No público, o "nosso" Adolfo Luxúria Canibal faz o seu filme pessoal (Instagram?) do concerto de Mikal Cronin em garboso smartphone. Estamos bem. Fotos de: Rita Carmo/Espanta Espíritos