Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

O outro lado da arte dos Sonic Youth [editorial de Miguel Cadete]

"São raros os exemplares capazes de cruzar a categoria de livro sobre música, com prateleira certa nas boas livrarias. Esse é o caso de 'Girl In a Band', o livro que Kim Gordon, baixista e vocalista dos Sonic Youth, acaba de publicar", escreve Miguel Cadete no editorial da BLITZ deste mês. Leia-o, na íntegra.

Chapéus há muitos. E livros dedicados à história do rock há, provavelmente, ainda mais. Na sua esmagadora maioria podem classificar-se na categoria da hagiografia. Pela simples razão que se destinam a satisfazer o apetite voraz dos fãs que muito mais facilmente papam um panegírico do que o confronto com a realidade. Não é necessário mencionar exemplos: todos conhecemos inúmeras obras dedicadas à exaltação das virtudes (e dos defeitos também) do principal protagonista mas que se predispõem apenas a construir a imagem adequada do santo ou do pecador em questão. São muito menos os que ousam passar essa fronteira: a de ir para lá da satisfação da clientela já assegurada de militantes, dispostos a consumir algo que confirme as suas suspeições. E são mais raros ainda os exemplares capazes de cruzar a categoria de livro sobre música, com prateleira certa nas boas (e poucas) livrarias que ainda resistem por esse mundo fora. Esse é o caso de Girl In a Band, o livro que Kim Gordon, baixista e vocalista dos Sonic Youth e ex-mulher de Thurston Moore, acaba de publicar. Há vários motivos para louvar o livro em causa. Para já, o estilo literário, muito acima do que é comum no género literatura rock. Há pedaços do livro que, pelo tom confessional destas memórias, se distinguem claramente das escrituras do rock'n'roll lifestyle: "sometime in my late 30s I'd begun looking at babies. Babies on the sidewalk, in strollers, on shoulders. As always, Thurston's self-assuredness and outward confidence helped convince me we could carry the parenting thing off. But after Coco was born I realised we had never talked about what kind of parents or partners we wanted to be". Ou seja, esta são as memórias de alguém que passou a esmagadora maioria da sua vida a escrever música, ensaiar música, gravar música e a tocar música ao vivo mas é, nos seus momentos mais surpreendentes, uma história cuja frontalidade e sinceridade é capaz de abalar aquilo que esperamos de uma mulher que entregou a sua vida a um grupo de rock, gerando durante esse processo o mito do casal indie perfeito. Não é apenas Thurston Moore quem sai mal na fotografia. Aqui estão todas as pequenas histórias da vida dos Sonic Youth, e também algumas de Kurt Cobain e Courtney Love e, claro,o libelo acusatório contra o ex-marido. Mas, muito mais do que isso, do que um impulso voyeurista destinado a lavar roupa suja, o que vale nesse livro é a Kim Gordon pessoa, capaz de se identificar com todos e com cada um de nós. Finalmente, um relato pujante capaz de dar um pingo de realismo à história do rock'n'roll. Miguel Cadete

Os Sonic Youth são capa da BLITZ de abril, nas bancas.