Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

NOS Primavera Sound: Run The Jewels mereciam um palco maior

Killer Mike e El-P incendiaram o palco ATP, o mais remoto dos cenários de concertos do NOS Primavera Sound onde todas as festas de amanhã têm lugar já hoje.

Run the Jewels
1 / 14

Run the Jewels

Run the Jewels
2 / 14

Run the Jewels

Run the Jewels
3 / 14

Run the Jewels

Run the Jewels
4 / 14

Run the Jewels

Run the Jewels
5 / 14

Run the Jewels

Run the Jewels
6 / 14

Run the Jewels

Run the Jewels
7 / 14

Run the Jewels

Run the Jewels
8 / 14

Run the Jewels

Run the Jewels
9 / 14

Run the Jewels

Run the Jewels
10 / 14

Run the Jewels

Run the Jewels
11 / 14

Run the Jewels

Run the Jewels
12 / 14

Run the Jewels

Run the Jewels
13 / 14

Run the Jewels

Run the Jewels
14 / 14

Run the Jewels

É curioso pensar-se que Run The Jewels possam ainda ser vistos como "new kids on the block" quando tanto El-P como Killer Mike já levam mais de duas décadas de trabalho em cima dos ombros: o primeiro começou com os Company Flow nos tempos áureos da Rawkus, o segundo secundou a elite de Atlanta participando em trabalhos dos Outkast. Ambos colaboraram a solo descobrindo uma empatia que acabou por resultar nestes Run The Jewels. E de repente, duas carreiras que se desenvolveram sobretudo nas margens obtêm agora reconhecimento alargado. Killer Mike e El-P entram em palco como várias equipas de futebol - com "We Are The Champions" dos Queen a funcionar como rastilho para despoletar uma bomba de graves. Entre o público vislumbram-se várias figuras do lado mais alternativo do hip hop nacional, prontas a recolher da fonte uma preciosa lição de músculo e empatia total com o público. E depois começa: rolo compressor de rimas, de frequências graves, que fazem o público estremecer como se estivesse a assistir ao concerto em cima de um elástico gigante. Os dois rappers trocam rimas como dois tenistas trocam a bola em Roland Garros, com uma enorme desenvoltura e encaixe perfeito. E os hits underground sucedem-se: "Run The Jewels", "Blockbuster Night, Part 1", "Banana Clipper" e "36" Chain" que El-Producto apresenta dizendo que "a compra de um bilhete para este concerto dá direito a uma corrente de ouro invisível". Essa corrente, no hip-hop, é sinónimo de respeito. "Lie, Cheat, Steal", "Early", "Love Again": rimas afiadas, que o público presente conhece bem e entoa em uníssono. Os Run The Jewels mereciam, mesmo, um palco maior, onde a sua mensagem pudesse ser catapultada ainda mais longe. De repente, El-P vê uma miúda entre o público e reconhece Angel Duster, uma fã que o esteve a "picar" o dia inteiro no twitter. E convida-a para o palco onde passará o resto do concerto a dançar descontroladamente. A música dos Run the Jewels tem esse poder de abanar corpos e consciências. Talvez as equipas de futebol devam começar a tocar "(Close Your Eyes) And Count to Fuck" com a voz de Zack de La Rocha a ajudar à moral antes de cada jogo. El-P parece honestamente surpreendido com a reacção entusiástica do público e dá, tal como o seu companheiro, 300 por cento em palco. Esta dupla não veio para fazer prisioneiros. Quando a dupla se despede com "A Christmas Fucking Miracle" fica a sensação de que não há-de demorar muito tempo para que nos voltemos todos a encontrar. O encore é mesmo um prémio para a tal fã e o duo entrega-se a "Angel Duster" com nervo e dessa maneira entrega-se igualmente ao seu pûblico: sem truques, sem reservas. Venha o Coliseu agora. Estes moços estão prontos! Fotos de: Rita Carmo/Espanta Espíritos