Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

NOS Primavera Sound: Os Replacements são um manual de rock americano, mas...

... foram recebidos com alguma indiferença pelo público portuense, apesar de terem dado um concerto bem disposto.

The Replacements
1 / 23

The Replacements

The Replacements
2 / 23

The Replacements

The Replacements
3 / 23

The Replacements

The Replacements
4 / 23

The Replacements

The Replacements
5 / 23

The Replacements

The Replacements
6 / 23

The Replacements

The Replacements
7 / 23

The Replacements

The Replacements
8 / 23

The Replacements

The Replacements
9 / 23

The Replacements

The Replacements
10 / 23

The Replacements

The Replacements
11 / 23

The Replacements

The Replacements
12 / 23

The Replacements

The Replacements
13 / 23

The Replacements

The Replacements
14 / 23

The Replacements

The Replacements
15 / 23

The Replacements

The Replacements
16 / 23

The Replacements

The Replacements
17 / 23

The Replacements

The Replacements
18 / 23

The Replacements

The Replacements
19 / 23

The Replacements

The Replacements
20 / 23

The Replacements

The Replacements
21 / 23

The Replacements

The Replacements
22 / 23

The Replacements

The Replacements
23 / 23

The Replacements

É uma história do rock. Formados em 1979 em Minneapolis, os Replacements são considerados pioneiros do que viria a ser conhecido com rock alternativo americano (que desembocou em bandas como os Pixies, os Pavement ou, antes destes, os R.E.M.). Influenciados tanto pelo rock mais desbragado dos Rolling Stones como pelo instinto melódico dos Beatles ou dos Big Star (estes, os de Alex Chilton, porventura a fonte principal) sem descurar uma infiltração punk por via da geração CBGB's, lançaram sete álbuns entre 1981 e 1990, deram concertos poucas vezes sóbrios, fizeram versões e medleys de meio mundo (hoje, aqui, tocou aos T. Rex com "20th Century Boy" e citação de "Get In On"). As suas canções, diretas ao osso e com ecos de uma adolescência não propriamente redentora vertidos para lírica, são produto essencial de uma visão: a de Paul Westerberg, guitarrista e vocalista com sangue na guelra - e com muito álcool no sangue, pelo menos até 1990 (em 1986 foram banidos pela NBC depois de uma atuação etilicamente catastrófica no programa Saturday Night Live. A história dos Replacements não será propriamente desconhecida do lado de cá do Atlântico, mas esta digressão "Back By Unpopular Demand" parece fazer jus ao seu título no NOS Primavera Sound. Os Replacements começam a tocar quando o sol desaparece no horizonte e quando muita gente decide rumar a outras paragens - outros palcos e, claro, uma concorridíssima zona de alimentação onde a dimensão das filas obriga a que se tenha paciência. Isso não impediu que Westerberg e comparsas não fizessem o seu número de rock bem esgalhado, canções rápidas e gingonas, umas vezes a raiar o hardcore 80s americano, mas a maior parte do tempo a beijar de leve o garage rock apunkalhado. "I'm In Trouble", "Little Mascara", "Kiss Me On the Bus", "If Only You Were Lonely", "Never Mind", "Take Me Down To The Hospital" e "Waitress in the Sky" foram algumas paragens de um concerto bem disposto que não colheu os favores do público. Fotos de: Rita Carmo/Espanta Espíritos