Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

NOS Primavera Sound: Os Interpol têm saudades do passado

"All The Rage Back Home", a canção com que se despediu do Porto a banda de Nova Iorque, até é de 2014 - mas nos 80 minutos anteriores foram as velhas glórias que falaram mais alto.

Interpol
1 / 17

Interpol

Interpol
2 / 17

Interpol

Interpol
3 / 17

Interpol

Interpol
4 / 17

Interpol

Interpol
5 / 17

Interpol

Interpol
6 / 17

Interpol

Interpol
7 / 17

Interpol

Interpol
8 / 17

Interpol

Interpol
9 / 17

Interpol

Interpol
10 / 17

Interpol

Interpol
11 / 17

Interpol

Interpol
12 / 17

Interpol

Interpol
13 / 17

Interpol

Interpol
14 / 17

Interpol

Interpol
15 / 17

Interpol

Interpol
16 / 17

Interpol

Interpol
17 / 17

Interpol

Com o anfiteatro maior do Parque da Cidade do Porto por sua conta - e em horário nobre - os Interpol não foram o cabeça de cartaz exultante capaz de saciar até os mais desconfiados. Convenhamos que o pós-punk emocional do grupo liderado por Paul Banks não tem o apetite galvanizador de uns - atiremos ao acaso - Chemical Brothers, mas não tendo sido recebidos com a indiferença votada aos My Bloody Valentine, neste mesmo espaço, há um par de anos, a reacção do público do Porto não foi propriamente estridente. Ideias feitas, mas com razão de ser: os Interpol não são "animais de palco" e, reconhecem os próprios, preferem a clausura de estúdio à responsabilidade de entreter multidões; o crédito dado à banda que, em 2002, lançou o marcante Turn On The Bright Lights é, por estes dias, menor do que a meio da década passada; El Pintor, o mais recente disco do grupo, pouco fez para recauchutar uma banda que, para muitos, é uma boa memória de um determinado período da vida não especialmente longínquo mas também não muito próximo. Talvez estejam, por isso, num limbo. Ainda não são a banda capaz de empreender uma digressão "Interpol toca só aquelas daquele álbum que você quer ouvir", mas também não se atiram de cabeça numa de "a malta agora só toca estas que fez na semana passada". Timidamente, El Pintor lá pintou um alinhamento mais 'best of' que outra coisa, a que faltou aquela confiança de quem sabe que tem obra feita para mostrar (outra vez). Mas se a voz de Paul Banks fraquejou mais do que seria de esperar, roçando o desafinanço em algumas situações - cansaço? -, o apuro instrumental salvou a honra do convento. Isso, claro, e um alinhamento que - por incluir "Stella Was a Diver and She Was Always Down", "Evil", "Slow Hands", "PDA" e "Pioneer to the Falls" (quanto passado à disposição!) - dificilmente poderia resultar em tragédia. Agora... esperávamos outra fibra? Acreditem que sim. Fotos de: Rita Carmo/Espanta Espíritos