Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

NOS Alive'15: Róisín Murphy ainda é uma menina traquina (e ainda toca aquela dos Moloko)

Foi bom rever uma "velha amiga", mas a ex-vocalista dos Moloko só quis mesmo apresentar o novo álbum e não foram assim tantos os interessados.

Roisin Murphy
1 / 14

Roisin Murphy

Roisin Murphy
2 / 14

Roisin Murphy

Roisin Murphy
3 / 14

Roisin Murphy

Roisin Murphy
4 / 14

Roisin Murphy

Roisin Murphy
5 / 14

Roisin Murphy

Roisin Murphy
6 / 14

Roisin Murphy

Roisin Murphy
7 / 14

Roisin Murphy

Roisin Murphy
8 / 14

Roisin Murphy

Roisin Murphy
9 / 14

Roisin Murphy

Roisin Murphy
10 / 14

Roisin Murphy

Roisin Murphy
11 / 14

Roisin Murphy

Roisin Murphy
12 / 14

Roisin Murphy

Roisin Murphy
13 / 14

Roisin Murphy

Roisin Murphy
14 / 14

Roisin Murphy

"I love you, Lisboa" foi a primeira coisa que ouvimos sair da boca de Róisín Murphy quando nos aproximámos do palco Heineken. Depois disso, não ouvimos "Overpowered", não ouvimos "Sow Into You", nem tão pouco "Sing it Back", um dos temas mais emblemáticos dos seus ex-Moloko. A artista irlandesa estava verdadeiramente interessada em dar a conhecer Hairless Toys, o novo álbum, e vimos muito poucos importados com isso. E foi uma pena.

Não se pode dizer que não se tenha esforçado, sacando das melhores armas que tem em mãos: os ambientes jazzy de "Gone Fishing" e o funk intrigante de "Exploitation", a pop sedutora do magnífico "Evil Eyes" foram servidos entre mudanças de indumentária e uma série de máscaras (ao ponto de, às tantas, alguém perguntar se a seguir vinha vestida de Pai Natal - curiosamente, o figurino seguinte era um casaco vermelho).

A banda competente que a acompanha dá-lhe troco quando, lasciva, prova que a sedução vai resistindo ao passar dos anos ao som de um funky "Simulation", mas nem uma versão disco, carregada de baixo, de "Jealousy" nem uma quase irreconhecível "Pure Pleasure Seeker" (que resiste do tempo dos Moloko), guardada para o final, conseguem fazer aquecer os ânimos. A verdade é que ela fez o que quis. Aplausos para isso.

Texto: Mário Rui Vieira

Fotos: Rita Carmo/Espanta Espíritos