Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

Noel Gallagher mais brando com Alex Turner dos Arctic Monkeys: afinal só lhe falta brilho

Ex-Oasis havia dito que preferia "beber gasolina do bocal a ter de ouvir outra entrevista dele", mas agora foi menos cáustico. Alt-J e Bastille, por sua vez, saem mais maltratados.

Noel Gallagher explicou os comentários que fez acerca de Alex Turner, voz dos Arctic Monkeys. O ex-Oasis chamou "aborrecido" ao músico dos Arctic Monkeys e declarou que "preferia beber gasolina do bocal a ouvir outra entrevista dele". Ao NME, Gallagher declarou-se fã dos Arctic Monkeys e de Alex Turner em particular, mas ressalvou: "ele [Turner] não tem que se ofender. Eu estava a falar de entrevistas a estrelas rock no geral - às dele, falta-lhes algum brilho". Na mesma entrevista, o ex-Oasis mostrou-se ainda confuso por ver outras bandas aceitarem as suas declarações, não raras vezes cáusticas, como elogios. "Li numa entrevista que um tipo dos Bastille se sentiu honrado por eu ter dito que o deitava ao chão [se eles existissem] nos anos 90. Pensei: que palhaço". Também os Alt-J foram recentemente alvo da ira do músico, que comentou em entrevista "um deles tem um bigode, e isso é inaceitável". Noel Gallagher não se mostra, contudo, arrependido e diz manter tudo o que já disse excepto a altercação que teve com Damon Albarn, em 1995, quando numa entrevista declarou que o músico dos Blur "devia apanhar SIDA e morrer". No mesmo artigo Gallagher revela a sua vontade em fazer um disco com Richard Ashcroft, dos Verve, a cujo disco de 2010, United States Of Sound, teceu rasgados elogios. "Devia fazer um disco com ele. Isso ia chatear o Liam [Gallagher, o irmão], ia ser uma guerra!". Após o fim dos Oasis, em 2009, Gallagher tem feito música sob nome Noel Gallagher's High Flying Birds, projeto sobretudo a solo mas onde também colaboram o pianista Mike Rowe, Jeremy Stacey, Russell Pritchard e Tim Smith. O seu disco mais recente, Chasing Yesterday, foi editado na semana passada e conta com a participação de Johnny Marr. PAC