Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

Músicos portugueses reagem aos atentados de Paris: veja as suas mensagens

Depois dos atentados da noite passada, em Paris, muitos músicos portugueses partilharam mensagens de pesar nas redes sociais. Veja algumas.

Vários músicos portugueses reagiram, nas redes sociais, aos atentados da noite passada, em Paris, que fizeram pelo menos 128 mortos e 300 feridos, 80 deles em estado grave. Márcia escreveu: "Que triste, sair tão feliz de um concerto e receber a notícia do Absurdo do mundo. Confesso que demoro a assimilar e a encontrar maneira de encaixar esta maldade naquela que é a realidade em que vivemos. Aos amores de Castelo Branco Cine-Teatro Avenida que vieram viver uma noite linda connosco, obrigada pelo vosso entusiasmo e calor. Sabemos que o Medo é a arma mais forte contra tudo de Bom que fazemos. Não deixemos que nos vença. Paz *" Por seu turno, Capicua publicou a seguinte mensagem: "Muito triste o que aconteceu ontem em Paris. Muito triste que a solidariedade só exista para alguns. Muito triste que o atentado (muito semelhante) de anteontem em Beirute, causado pela mesma organização terrorista, não tenha sido praticamente noticiado. Muito triste que não se perceba de uma vez por todos que os refugiados (que tanta gente culpa !?!?) estão a fugir precisamente dos MESMOS terroristas. Muito triste que tudo isto só agrave a xenofobia e reforce os discursos de extrema direita. Muito triste que o apregoado combate ao terrorismo, seja feito pelo extremar da violência e acentuando os conflitos no mundo, em vez de ser pela via da paz e da real solidariedade, indo à raiz dos problemas. A guerra não é "santa" mas a ignorância é!" Já António Zambujo, que com regularidade atua em França, escreveu um post em francês e português: "Je manifeste ma solidarité et je condamne les actes cruels et abominables qui se sont déroulés aujourd'hui dans la ville de Paris. La France est toujours targuée d'être le pays de la liberté, de l'égalité et de la fraternité. Puisse-t-elle continuer ainsi. Manifesto a minha solidariedade e condeno os actos cruéis e abomináveis que ocorreram hoje na cidade de Paris. A França sempre se pautou por ser o país da liberdade, da igualdade e da fraternidade. Que assim perdure". Mariza escreveu que o seu concerto desta noite será dedicado "às vítimas de Paris. Liberdade sempre!!!" e Ana Moura publicou, também em francês e português: "Podem fazer explodir todas as bombas e fazer disparar todas as armas. Jamais conseguirão deter Paris, a Cidade da Liberdade. Ils peuvent faire exploser toutes les bombes et tirer toutes les armes. Jamais seront capables de tenir Paris, la Ville de La Liberté". Mayra Andrade, cantora cabo-verdiana que atualmente vive em Portugal, depois de muitos anos passados em Paris, ofereceu em francês todas as suas condolências "a todos e todas que perderam um ente querido nesta noite que nunca mais poderemos esquecer. Paris, como hei de dizer-te o que sinto...". Entretanto, Paulo Furtado, aka Legendary Tigerman, partilhou uma longa mensagem, da qual publicamos aqui parte: "Paris é a minha segunda cidade, isso é claro para os que me conhecem bem. (...) Isto é próximo, é demasiado próximo. O Le Bataclan é um dos meus sítios preferidos do Mundo para tocar, foi uma honra enorme pisar aquele palco duas vezes. É terrível imaginar aquela madeira corrompida com sangue de inocentes. Ontem os Eagles Of Death estavam lá, a tocar Rock'n'Roll. Um deles irá produzir o meu próximo disco, e facilmente eu poderia ali estar, por várias razões. (...) Vivemos tempos horríveis, terríveis. Temos que questionar muita coisa, é um facto, mas não a nossa humanidade, nem a nossa solidariedade, nem o nosso amor". Getty Images