Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

Mansidão de José González desagua no mar do jantar

O cantor e compositor sueco apresentou-se no NOS Primavera Sound pela hora do jantar, transformando-se a sua música delicada em banda-sonora de conversas animadas.

Jose Gonzalez
1 / 16

Jose Gonzalez

Jose Gonzalez
2 / 16

Jose Gonzalez

Jose Gonzalez
3 / 16

Jose Gonzalez

Jose Gonzalez
4 / 16

Jose Gonzalez

Jose Gonzalez
5 / 16

Jose Gonzalez

Jose Gonzalez
6 / 16

Jose Gonzalez

Jose Gonzalez
7 / 16

Jose Gonzalez

Jose Gonzalez
8 / 16

Jose Gonzalez

Jose Gonzalez
9 / 16

Jose Gonzalez

Jose Gonzalez
10 / 16

Jose Gonzalez

Jose Gonzalez
11 / 16

Jose Gonzalez

Jose Gonzalez
12 / 16

Jose Gonzalez

Jose Gonzalez
13 / 16

Jose Gonzalez

Jose Gonzalez
14 / 16

Jose Gonzalez

Jose Gonzalez
15 / 16

Jose Gonzalez

Jose Gonzalez
16 / 16

Jose Gonzalez

Filho de argentinos, o cantor e compositor sueco José González sobe ao palco Super Bock depois de, ali ao lado, no maior palco do festival, Patti Smith ter deixado uma marca indelével. Contra si, o autor de Veneer tem esse termo de comparação, e também o apelo dos estômagos que dão horas (muita gente passa por nós apressadamente de caixas de pizza e outros acepipes em riste). A seu favor, José González tem o facto de contar, em Portugal, com numerosos fãs - é um mar de gente que se espraia no "enclave" do palco Super Bock -, e é peloe seus ouvidos que espalha, sempre com serenidade, a sua brisa perfumada por ecos de Nick Drake, Simon Garfunkel e outros grandes da arte de cantar bem e baixinho. Do novo álbum, Vestiges and Claws, lançado este ano, canções como "Let It Carry You" e "Leaf Off/The Cave" revelaram-se em toda a sua suave beleza, servindo de banda-sonora perfeita para a despedida do sol que, ali ao lado, se deita no mar. Já contra o ruído cada vez mais intenso das conversas festivaleiras José González pôde pouco; acompanhado por outro guitarrista, um percussionista e um teclista, o sueco mais latino que conhecemos ainda passou por uma versão sussurrada e dedilhada de um tema de Arthur Russell, mas a minúcia perdeu-se no bruá da multidão. Horas antes, no mesmo palco, ainda o sol acariciava o verde da Parque da Cidade e já os Giant Sand de Howe Gelb montavam no Porto o seu pôr-do-sol à oeste americano. Mas das mãos do grupo de Tucson, Arizona - vizinhos, portanto, dos comparsas Calexico - não saiu só country rock dolento, como piano bar romântico e até jornadas de um rock algo sónico (Gelb referiu mesmo o nome de Steve Shelley, o ex-Sonic Youth que hoje está por cá para tocar bateria com Sun Kil Moon). "Heartbreak Pass" é um dos momentos que levaremos para casa, no bolso da memória. Texto de: Lia Pereira Fotos de: Rita Carmo/Espanta Espíritos