Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

Mais de 60% dos músicos já sofreu de depressão, revela estudo britânico

A associação de caridade Help Musicians UK decidiu estudar os efeitos das digressões nos músicos.

Com a quebra acentuada na venda de discos, cada vez mais músicos e bandas dependem das digressões para ganhar a vida. Mas a sucessão de concertos e necessárias viagens não é positiva para a saúde mental dos artistas, concluiu a Help Musicians UK.



Segundo um estudo conduzido por aquela associação de caridade, mais de 60% dos músicos já sofreu de depressão ou outros problemas psicológicos. 71% dos auscultados no estudo confessou que as digressões lhe causam stress.



Num artigo do britânico The Guardian, Isabella Goldie, da Mental Health Foundation, diz: "Beber com moderação, evitar as drogas, dormir horas suficientes e ter uma base de apoio de amigos próximos e família por perto - estes são os laços que nos mantêm estáveis. Não é surpreendente que alguns músicos tenham problemas".

Citado pelo mesmo jornal, o produtor Mat Zo ilustra: "99% de andar em digressão é: aeroportos, hotéis, ficar sentado num tubo de metal durante 16 horas ou mais. É fácil deixar que a tua mente e o teu corpo decaiam, mesmo se fores uma pessoa com boa saúde emocional. Para as pessoas com ansiedade, os quartos de hotel são como celas de prisão". 



A oscilação entre estados de grande euforia, vividos em palco, e de maior calmaria, quando se dá o regresso a casa, ajuda também a explicar alguns destes problemas, explicam especialistas. 



"As digressões podem ser destrutivas para um músico; para mim foram, de certeza", disse Willis Earl Beal ao Guardian. "Eu voltava para casa da digressão, e a minha mulher - agora já não sou casado - fazia turnos de 12 horas, por isso era eu que fazia o jantar e assim. Havia muita tensão, porque eu pensava de mim para mim: eu não mereço isto, eu sou uma grande estrela, e essa foi uma das razões do fim do meu casamento. A porcaria da carreira, a luta por algo que não existe, nunca existiu".



Por seu turno, Justin Young, dos ingleses The Vaccines, oferece um outro ponto de vista: "Andar em digressão pode fazer com que a vida normal nos pareça [demasiado] mundana. Ganhámos muitas expectativas que nem sempre são cumpridas por tarefas quotidianas como ir comprar leite ou mesmo jantar fora com os amigos. É difícil substituir aquela adrenalina toda".

Getty Images