Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

Linda Martini: Makoto (PAUS) poderá substituir Cláudia Guerreiro em alguns concertos

A baixista dos Linda Martini está nos últimos meses da gravidez, pelo que poderá não conseguir tocar nalguns dos próximos concertos da banda.

Num post colocado no Facebook da banda, os Linda Martini abordaram, esta manhã, a gravidez da sua baixista Cláudia Guerreiro. "É com enorme alegria que anunciamos que a Cláudia vai ser mãe. Não será surpresa para quem foi aos últimos concertos, mas não queríamos deixar de o partilhar com quem ainda não sabe", escrevem os autores de Turbo Lento. "É possível que, dadas as limitações que uma gravidez já avançada acarreta, a Cláudia não consiga fazer algum dos concertos já agendados. Quando isso acontecer, o Makoto - dos PAUS - estará connosco a tocar baixo. Fica tudo entre família", acrescentam os Linda Martini. Na recente residência dos Linda Martini no Musicbox, em Lisboa, foi já bem visível a gravidez de Cláudia Guerreiro.
Linda Martini
1 / 17

Linda Martini

Linda Martini
2 / 17

Linda Martini

Linda Martini
3 / 17

Linda Martini

Linda Martini
4 / 17

Linda Martini

Linda Martini
5 / 17

Linda Martini

Linda Martini
6 / 17

Linda Martini

Linda Martini
7 / 17

Linda Martini

Linda Martini
8 / 17

Linda Martini

Linda Martini
9 / 17

Linda Martini

Linda Martini
10 / 17

Linda Martini

Linda Martini
11 / 17

Linda Martini

Linda Martini
12 / 17

Linda Martini

Linda Martini
13 / 17

Linda Martini

Linda Martini
14 / 17

Linda Martini

Linda Martini
15 / 17

Linda Martini

Linda Martini
16 / 17

Linda Martini

Linda Martini
17 / 17

Linda Martini

Ouvida pela BLITZ aquando da capa de abril, com Sonic Youth e Kim Gordon, Cláudia Guerreiro afirmou: "Tenho curiosidade [na biografia Girl in a Band] de saber como é que a Kim Gordon lidou com a gravidez e o crescimento da filha". "Eu aprendi a tocar guitarra aos 12 anos, com o meu pai, mas daí a entrar numa banda é diferente. Acabava por ser sempre substituída, porque os rapazes achavam que ter uma rapariga numa banda era só uma questão de estilo e no fundo ela não tinha capacidade. Fui substituída por pessoas que tocavam mil vezes pior que eu, só porque eram gajos! Os meus pais tinham, também, um grande preconceito. A minha mãe detestava que eu fosse ensaiar, perguntava-me: mas vais com essa roupa? Achava suspeito uma mulher estar no meio de homens, com 16 anos, sem os pais poderem controlar. Penso que o preconceito está a desaparecer e cada vez há mais mulheres a tocar. Mas raríssimas vezes usei decotes ou me pintei num concerto, não quero destacar-me por isso".