Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

Kendrick Lamar de volta a Portugal: a primeira vez foi no Porto [reportagem + fotogaleria]

22 mil pessoas assistiram no festival portuense Primavera Sound, a 5 de junho de 2014, ao que a reportagem BLITZ designou de 'curta mas eficaz estreia em Portugal' do artista norte-americano. Leia aqui a reportagem e veja as fotos. O reencontro está marcado para 2016.

Kendrick Lamar
1 / 13

Kendrick Lamar

Kendrick Lamar
2 / 13

Kendrick Lamar

Kendrick Lamar
3 / 13

Kendrick Lamar

Kendrick Lamar
4 / 13

Kendrick Lamar

Kendrick Lamar
5 / 13

Kendrick Lamar

Kendrick Lamar
6 / 13

Kendrick Lamar

Kendrick Lamar
7 / 13

Kendrick Lamar

Kendrick Lamar
8 / 13

Kendrick Lamar

Kendrick Lamar
9 / 13

Kendrick Lamar

Kendrick Lamar
10 / 13

Kendrick Lamar

Kendrick Lamar
11 / 13

Kendrick Lamar

Kendrick Lamar
12 / 13

Kendrick Lamar

Kendrick Lamar
13 / 13

Kendrick Lamar

1h20 da manhã, Parque da Cidade do Porto. "Estão a divertir-se? Porque, se se divertirem, eu volto. E, sobretudo, nobody's vibe will get killed!". Foi assim que Kendrick Lamar, um dos mais bem cotados rappers da sua geração, apresentou à plateia do Nos Primavera Sound aquele que é, porventura, o seu tema mais conhecido: "Bitch Don't Kill My Vibe", incluído no recente e aplaudido good kid, m.A.A.d city (2012). Na estreia em Portugal, o norte-americano contou com o entusiasmo febril dos fãs que se concentravam nas primeiras filas, aclamando as rimas rápidas e incisivas acompanhadas por banda ao vivo (formação semelhante à de um concerto rock, com guitarra, baixo, órgão Rhodes e bateria). Os seguidores de Kendrick Lamar conhecem, aos primeiros samples disparados em palco, os temas do seu herói, que sai do Parque da Cidade aparentemente encantado. Depois de, na semana passada, se apresentar no Primavera Sound de Barcelona, o californiano desfilou com segurança os seus temas autobiográficos ("All My Life", "M.A.A.d City", "Fucking Problems" passaram pelo Palco Nos), enchendo o recinto com um som teatral, quase épico, mercê também de vários samples orquestrais. Empenhado em medir os níveis de energia da plateia, Kendrick Lamar alterna facilmente entre os registos mais suaves e os mais agressivos, como de resto foi bem evidente na apresentação do hit "Bitch Don't Kill My Vibe", prontamente celebrada pelo público afecto à sua causa e disposto a seguir as suas ordens, como saltar ou levar as mãos ao ar. A mais desacelerada "Sing About Me, I'm Dying of Thirst" conduziu o concerto ao encore, no qual o hip-hopper se mostrou espantado com as semelhanças entre a sua cidade-natal - "Compton", pois claro, e o Porto: "All I smell is weed in the motherfucking air", comparou, para gáudio da pequena multidão de fãs. O regresso ficou prometido e, a julgar pela reação dos admiradores, é profusamente desejado - até pela curta duração (cerca de uma hora) deste primeiro encontro com Kendrick Lamar. Texto: Lia Pereira Fotos: Rita Carmo/Espanta Espíritos