Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

Jimmy Page. 'Quando gravámos o Presence, o Robert Plant não sabia se ia conseguir voltar a andar'

Entrevistados pela BLITZ e por Zé Pedro, dos Xutos & Pontapés, em Londes, Jimmy Page recordou o processo de gravação de Presence, álbum de 1976.

Jimmy Page, guitarrista, produtor e uma das "almas" dos Led Zeppelin, está em destaque na BLITZ de agosto, com uma entrevista realizada pela BLITZ - e pelo fã Zé Pedro, dos Xutos & Pontapés, em Londres. A propósito da reedição dos três últimos discos da sua banda de sempre, Jimmy Page recordou a gravação de Presence, originalmente lançado em 1976, e as circunstâncias adversas que rodearam o processo. Leia aqui parte da nossa entrevista: Ainda que todos os discos lhe despertem recordações fortes, Presence, um dos álbuns agora reeditados, reveste-se de uma importância diferente, uma vez que foi gravado na sequência de uma grave lesão sofrida por Robert Plant. De férias na ilha grega de Rhodes, o vocalista foi vítima de um acidente automóvel que o obrigou a ter de recorrer, durante longos meses, a uma cadeira de rodas. Foi, de resto, de pé engessado que Plant gravou Presence, um processo turbulento mas veloz: em apenas 18 dias, o sétimo disco dos Led Zeppelin estava pronto. Sobre a importância deste capítulo, que teve lugar nos estúdios Musicland, em Munique, na história da banda, diz Jimmy Page a Zé Pedro: "Pelas circunstâncias em que foi escrito, o Presence é um disco intenso. É profundo, é negro, e tem uma certa energia que poderá ter a ver com as circunstâncias em que foi escrito - se o Robert não tivesse tido aquele acidente, que o obrigou a gravar as vozes com a perna engessada, [talvez o resultado tivesse sido outro]. Ele mesmo não sabia se ia conseguir voltar a andar, ou quando, ou se ia ficar manco, ou se ia conseguir aguentar-se de pé nos concertos, sem se sentir envergonhado. Não sabíamos nada disso. O que sabíamos é que a música que estávamos a fazer refletia o momento que atravessávamos naquela precisa altura. Como todos os álbuns que o antecederam, de resto. Mas muito concentrado, focado!".  Para ler a entrevista na íntegra, consulte a BLITZ de agosto, nas bancas.