Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

Christmas Songs, de David Fonseca, é o disco indispensável em cada lar português neste Natal

O mais recente CD BLITZ é composto pelas canções de Natal que o músico de Leiria gravou ao longo dos últimos 10 anos. Melhor ainda? É grátis com a BLITZ de dezembro!

Nos últimos dez anos, David Fonseca cumpriu, quase religiosamente, uma tradição: fez por altura do Natal uma versão de um clássico da época. Agora, as releituras que ganharam fama na internet são reunidas num CD especial, disponível unicamente com a BLITZ de dezembro, já nas bancas. E, em jeito de bónus, com uma canção nova no sapatinho. David Fonseca explica, pelas suas próprias palavras, como nasceu cada tema de Christmas Songs - e aproveite para ouvir alguns excertos.

1. Little Drummer Boy Tradicional (2006)

Foi a primeira música que eu fiz a sério para este "postal de Natal" e a primeira vez que filmei também o projeto de fazer música em casa. A maior parte das pessoas não têm a noção de que a grande parte destes instrumentos são gravados por uma pessoa só e Acho que até aí as pessoas olhavam para mim como cantor. A abordagem é simples, muito caseira, e usa aqueles truques do livro dos Pixies de há 25 anos, que é começar tudo muito lento, ir montanha acima e depois montanha abaixo. É uma fórmula que acaba por funcionar muito bem, porque torna a canção épica na forma como se desenrola.

2. Amazing Grace Tradicional (2007)

Um desafio gigantesco. É feita com o som retirado da câmara de filmar, não há nenhum som profissional aqui. A ideia era tocar vários instrumentos em vários sítios diferentes, em movimento, dentro do carro... E todos eles juntos darem origem a uma canção. No primeiro dia de filmagens devo ter feito cerca de 200 quilómetros ali na zona Oeste, mas quando fui ver nenhuma das imagens tinha som - houve um engano com a câmara. No dia seguinte, comecei tudo do zero e o que ouvimos no CD é a segunda versão, desta vez com som.

3. O Come All Ye Faithfull Tradicional (2008)

Abordagem radicalmente diferente. Em 2008, estava a fazer a digressão do Dreams in Colour, em que eu entrava com um fato de astronauta em palco para tocar o "Rocket Man". Resolvi fazer uma versão da "O Come All Ye Faithfull" do ponto de vista do homem que vem do espaço e que canta uma canção de Natal. Daí a forma espacial como foi produzida, com um coro meio estranho. É a versão mais experimental de todas.

4. Last Christmas Wham! (2009)

Era muito difícil tocar nela porque é um clássico. Durante muito tempo evitei os clássicos porque achei que as pessoas não iam gostar. É tocada com piano, guitarra a vozes, uma espécie de versão acústica [a que se acrescentam] pequenas percussões e pouco mais. Foi um dos mais vistos de todos os meus "postais de natal". Teve a ver com a popularidade da música e com a abordagem acústica, meio folk.

5. All I Want From Christmas Is You Mariah Carey (2011)

O original é uma música festiva, com guizos... Quando isolei a letra da música, percebi que era sobre algo difícil, duro, por isso interpretei aquilo à minha forma. Transformou-se numa música melancólica, meio trágica, mas que se cola bem ao Natal - é quentinha, tem qualquer coisa de muito próximo.

6. Happy Xmas (War Is Over) Plastic Ono Band (2012)

Essa foi uma das abordagens mais radicais à canção original: é uma espécie de electro/Pet Shop Boys. Deu-me algum prazer a fazer porque é uma produção de estúdio muito maior - estou a gravar uma canção como se fosse para um disco. Elevo a ideia de gravação a um sentido muito mais profissional. Teve um trabalho muito longo. Queria transformar a canção em algo mais dançável, [característica] que não está no original.

7. Do They Know It's Christmas? Band Aid (2013)

Essa canção foi das mais complexas de abordar. Experimentei várias ideias e a que gostei mais era a mais despida. Como a canção original é tão conhecida e tem tantas vozes, achei que seria interessante tocá-la em regime de surdina, no fundo da sala - um tipo com uma guitarra pequenina a tocar da forma mais simples possível. Fi-lo na tentativa de fazer sobreviver a letra, que é efetivamente interessante para a altura do Natal.

8. Oh Christmas Tree Tradicional (2014)

Nasceu por uma razão muito simples: ao navegar na internet encontrei à venda um fato de árvore de Natal. Foi assim que foi decidida a canção. Achei o fato tão estúpido, mas tão estúpido, que pensei assim: "vou comprar este fato e fazer uma versão do "Oh Christmas Tree"". Fiz a versão de uma forma muito egoísta - só porque queria vestir aquele fato.

9. Jingle Bells James Lord Pierpont (2015)

Há uns anos, o diretor da escola [de um filho] perguntou-me se eu podia fazer uma canção para um CD para oferecer na escola no Natal. Fiz o "Jingle Bells" e na canção eu conto até 10 porque a ideia era que os miúdos aprendessem [os números] em Inglês. Inseri uma personagem diferente, a rena Rodolfo, para tornar o momento caricato. Ao fazer isto, lembrei-me de uma versão do "Hurdy Gurdy Man" pelos Butthole Surfers que está na banda-sonora do Dumb and Dumber.