Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

Comentador político norte-americano defende que o rap deveria ser banido

Sean Hannity comentava o recente massacre de Charleston quando fez as polémicas declarações.

O comentador político norte-americano Sean Hannity defendeu que o rap deveria ser banido, tal como se defende fazer com a bandeira dos Estados Confederados da América (conotada com o racismo e a escravidão).  A personalidade televisiva fez as polémicas declarações enquanto comentava o recente massacre de Charleston, que levou à morte de nove pessoas numa igreja da localidade da Carolina do Sul.  

Criticando artistas como Jay-Z, 50 Cent e Snoop Dogg, bem como as lojas que vendem os seus discos, Hannity disse: "lojas como Sears, Wal-Mart, Amazon, eBay... anunciaram nas últimas 24 horas que pretendem deixar de vender a bandeira dos Estados Confederados. Tenho uma questão: ainda podemos comprar um CD do Jay-Z no Wal-Mart? O departamento de música do Sears ainda tem álbuns do Ludacris? Posso fazer downloads do 50 Cent na Amazon? Posso fazer isso? Ainda posso encontrar álbuns do Snoop Dogg no eBay?". 

O comentador explica depois por que razão coloca essas questões: "porque muita música desses artistas está cheia de referências à palavra-n [nigger] e à palavra-b [bitch] e à palavra-h e muitas expressões sexistas, misóginas e anti-mulheres que nenhum dos executivos dessas cadeias de lojas usariam". A terminar, Hannity defende que o rap deveria ser banido das lojas porque "estamos no processo de banir tudo - é apenas uma dica".

Foto: Getty Images