Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

'A Amy Winehouse era tímida em palco, provavelmente era por isso que bebia', diz músico dos Dap-Kings à BLITZ

Na BLITZ de julho, já nas bancas, falamos com Neal Sugarman, saxofonista dos Dap-Kings, sobre Amy Winehouse, que acompanhou em palco e em estúdio.

Neal Sugarman, saxofonista dos Dap-Kings, banda soul/funk nova-iorquina conhecida por acompanhar Sharon Jones, é um dos entrevistados da BLITZ de julho, já nas bancas (capa: Amy Winehouse). O músico norte-americano fala-nos precisamente sobre Amy Winehouse, com quem gravou e andou em digressão. Veja aqui um pequeno excerto da entrevista de um dos fundadores dos Daptone Records à BLITZ, a poucos dias da estreia de Amy, documentário de Asif Kapadia, nas salas de cinema portuguesas.

Em palco, Amy não era, no ver de Neal Sugarman, "uma performer incrível. O que mais me impressionava era a forma como a sua música chegava a tantas pessoas tão diferentes. Quando fomos para a estrada - e isto foi no começo da carreira dela, pelo menos nos Estados Unidos, onde ainda tocávamos em clubes pequenos - a forma como as pessoas se ligavam às suas letras [emocionava-me]. Como performer, era tímida. Provavelmente era por isso que bebia muito quando cantava. Eu toco ao vivo com a Sharon Jones, que domina o palco", compara, "e a Amy tinha um estilo muito diferente. Ela entrava na música e perdia-se nas suas canções. É um outro estilo de atuar que, enquanto músico, me diz muito".

Pouco antes de Amy morrer, os Dap-Kings deram um concerto no Jazz Café, em Londres. "Estivemos com ela nessa altura e ela não estava bem. Infelizmente, não estava feliz", lamenta. "Ela foi ver o nosso concerto e, a seguir, uma data de nós fomos para o apartamento dela. E ela mal se aguentava. Claro que ouvíamos aquelas histórias todas [sobre a sua decadência], mas a ideia que eu tinha dela não era essa. Estive com ela numa data de concertos em que cantou muito bem... Vi pequenas coisas: sabia que ela bebia, que se drogava. Mas, quando a encontrei naquela altura [em Londres], percebi que já não conseguia funcionar".

A capa da BLITZ de julho, já nas bancas, com Amy Winehouse nas bancas