Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

Shirley Manson

Getty Images

Quando os Garbage se apaixonaram por Portugal. Foi há 20 anos na Expo'98

Foi a 23 de junho de 1998 que a banda de Shirley Manson se estreou em solo nacional com um concerto na extinta Praça Sony. Recorde a reportagem e fique a saber o que a cantora escocesa se lembra deste primeiro concerto em Portugal

Foi a 23 de junho de 1998 que os Garbage, acabadinhos de editar o segundo álbum, "Version 2.0", se estrearam em Portugal com um concerto integrado na programação da Expo'98. A banda liderada por Shirley Manson confirmou, no palco da Praça Sony, as "expectativas" e desfez as "interrogações" que o público nacional tinha sobre as prestações ao vivo do coletivo, defendeu a jornalista Sónia Pereira nas páginas do então jornal BLITZ.

"Seriam os Garbage capazes de reconverter canções nitidamente construídas num estúdio para o formato ao vivo?" e "como é que manteriam a personalidade própria da sua música num palco?" eram algumas das questões colocadas no início da reportagem, publicada na edição de 30 de junho de 1998, "as respostas para todas estas questões foram encontradas no passado dia 23, durante o concerto de uma hora e meia que os Garbage ofereceram ao lotadíssimo Vídeo-Estádio da Expo 98. E no centro dessas respostas encontra-se Shirley Manson, a vocalista escocesa escolhida por Butch Vig, Steve Marker e Duke Erikson para dar voz à parafernália de sons que pretendiam transformar em canções".

Os elogios à vocalista, entregue à tarefa de "animadora das hostes", foram vários: "divertida e extremamente comunicativa, Shirley cativou os largos milhares que constituíam o público do primeiro ao último minuto". "Sem retoques de pudor ou ingenuidade, Shirley constituiu o único centro de todas as atenções, enquanto a banda percorreu os dois álbuns da sua curta carreira – “Garbage”, de 1995, e “Version 2.0”, editado recentemente – para além de apresentar ainda alguns lados B, uma versão e algumas “brincadeiras” (como uma piscadela de olho aos New Order)".

'Push It' seria "dedicada ao público português pelo seu apoio e fidelidade"; 'Queer' "marcou o primeiro momento mais calmo da noite"; 'Stupid Girl' foi "um dos momentos mais animados, com o público a fazer coro do princípio ao fim"; e do encore fizeram parte uma versão de 'Thirteen' dos Big Star, "o rock poderoso de 'Girl Don't Come'" e 'You Look So Fine', "marcado por um toque de beleza sónica e algum psicadelismo". "Respondidas todas as dúvidas e interrogações, o que ficou foi sobretudo um grande concerto de rock".

Entrevista pela BLITZ em 2016, Shirley Manson recordou esta primeira passagem por Portugal, realçando "o clima maravilhoso" e "uma estadia fantástica". "Lembro-me dos vossos taxistas loucos. Uma noite, fomos sair e conhecemos um jovem empregado de mesa que nos levou a visitar a cidade. Estivemos na parte velha de Lisboa, naquelas ruas estreitinhas… E comemos marisco incrivelmente fresco e bebemos vinho fabuloso. Estávamos muito felizes. Ouvimos muito falar de casas de fado mas não tivemos oportunidade".

Veja abaixo uma reportagem televisiva sobre o concerto e também o alinhamento completo.

Dumb
Not My Idea
Push It
Queer
Hammering in My Head
Medication
Special
My Lover's Box
Stupid Girl
Trip My Wire
Temptation Waits
#1 Crush
Vow
I Think I'm Paranoid
When I Grow Up
Only Happy When It Rains

Encore:
Thirteen (Big Star cover)
Girl Don't Come
You Look So Fine