Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

Wire

Os Wire, históricos do pós-punk, vão dar dois concertos em Portugal

A banda de álbuns seminais como “Pink Flag” e “Chairs Missing”, discos essenciais da Inglaterra de finais dos anos 70, vai regressar ao nosso país dez anos depois de encabeçar o Serralves em Festa, no Porto. Desta vez, estende o seu tapete também a Lisboa

Os Wire, histórica banda britânica formada em 1976, vão atuar no Porto e em Lisboa no próximo mês de novembro. Na Invicta, o concerto do grupo nascido na era punk inglesa vai ter lugar no Hard Club, a 23 de novembro, enquanto que na capital o quarteto londrino terá para si o RCA Club, no bairro de Alvalade, no dia seguinte.

Banda essencial do que se convencionou chamar pós-punk, os Wire souberam aliar a rudeza dos acordes punk com uma perspectiva mais experimental. Nos primeiros anos de percurso, o grupo lançou discos como os clássicos "Pink Flag" (1977) e "Chairs Missing" (1978), que incluíam 'emblemas' do período punk como 'Reuters' e 'Three Girl Rhumba" ou a melódica 'Outdoor Miner'.

Após cinco anos de hiato, a banda regressou em meados dos anos 80 com uma abordagem mais pop, destacando-se o álbum "A Bell Is A Cup" (1987), onde se incluía 'Kidney Bingos', um dos maiores sucessos dos ingleses.

Entre 1992 e 1999, os Wire voltaram ao pousio, daí regressando como eletrizante banda de rock alternativo, como se pode testemunhar no álbum "Send" (2003).

De há dez anos para cá, têm editado discos com regularidade: "Silver/Lead", lançado no ano passado, é o sexto desta 'terceira vida' dos Wire, onde se mantêm da formação original Colin Newman (voz, guitarra), Graham Lewis (baixo) e Robert Grey (bateria).

Os concertos têm início às 22h00 e os bilhetes para ambos estão à venda ao preço de 22 euros.

  • Never mind the Pistols... eis o pós-punk!

    Notícias

    Ao furacão punk não se seguiu uma bonança: entre 1978 e 1984 inauguraram-se em Inglaterra caminhos sustentados pelas experiências de bandas como os Pop Group, Wire, The Fall, Cabaret Voltaire, PIL ou Joy Division. Numa altura em que desaparece Mark E Smith, uma das figuras mais carismáticas “nascidas” nessa era, recuperamos um artigo de 2015 onde contribuem vários protagonistas dessa história de abalos estéticos