Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

Neil Portnow

Getty Images

Ainda os Grammys. Presidente da academia compra guerra com artistas femininas: “Têm de elevar a fasquia”

Só uma mulher, Alessia Cara, venceu nas principais categorias. Pink e Lorde têm algo a dizer sobre o assunto

As chuvas de críticas aos Grammys continuam a chegar: depois de acusações de racismo, regressam as de misoginia. Apenas uma mulher, a "novata" Alessia Cara, venceu numa das principais categorias este ano (a de Artista Revelação) e quando confrontado com a situação, o presidente da Academia, Neil Portnow, disse: "[as mulheres] precisam de elevar a fasquia".

Mesmo em prémios para os quais havia uma maioria de mulheres nomeadas, como o de Melhor Álbum de Pop Vocal, os vencedores foram homens (Ed Sheeran levou para casa o galardão com o seu Divide). Recorde-se, também, que Lorde foi a única nomeada para Álbum do Ano que não atuou na cerimónia, tendo decidido declinar o convite porque não queriam que ela atuasse sozinha, como aconteceu com os outros nomeados (todos homens).

Na entrevista citada pelo site Consequence of Sound, Portnow começa por dizer "as mulheres que têm criatividade nos seus corações e almas, que querem ser artistas de música, que querem ser engenheiras, produtoras e fazer parte da indústria a um nível executivo precisam de elevar a fasquia porque penseo que seriam bem recebidas".

"Não tenho experiência pessoal nesse tipo de muros que vocês enfrentam mas penso que está do nosso lado - da indústria - de mostrar de forma óbvia que são bem-vindas, criando oportunidades para que todas as pessoas que queiram ser criativas e criar essa nova geração de artistas", concluiu.

As reações não se fizeram esperar, com Pink a partilhar a seguinte mensagem no seu Twitter: "as artistas femininas não precisam de 'elevar a fasquia' - as mulheres têm elevado a fasquia desde sempre. Dando passos à frente e passos ao lado. As mulheres estiveram em grande na música este ano. Têm dominado. E todos os anos antes deste".

Lorde também reagiu à polémica, partilhando no Twitter a curta mensagem: "se se está a questionar sobre o facto de eu conseguir arrasar em cima de um palco... venha ver por si", adicionando de seguida um link para a página do seu site oficial onde se encontram as datas da corrente digressão.