Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

Bruno Mars

Getty Images

E tudo Bruno Mars levou. Este é o “filme” dos Grammys 2018

Uma atuação intensa de Kendrick Lamar, o favorito da noite, abriu caminho a uma noite que viria a ser de glória para Bruno Mars e que viu Jay-Z sair de mãos vazias do Madison Square Garden. Aqui está o resumo alargado da noite mais importante da música nos Estados Unidos. E a lista dos vencedores

Bruno Mars foi o grande vencedor da noite dos Grammys, tendo levado para casa todos os prémios para os quais estava nomeado, incluindo os de Álbum, Gravação e Canção do Ano. Ao todo foram 6 Grammys para o artista de "24K Magic", que também venceu nas categorias de R&B.

A noite parecia correr de feição a Kendrick Lamar, totalista nas categorias rap, a que acrescentou o prémio de Melhor Videoclip. Lamar, que protagonizou o momento musical porventura mais poderoso da noite, levou 5 grafonolas douradas para o Compton mas nenhuma foi das mais importantes.

Jay-Z, o mais nomeado nestes Grammys, conheceu uma derrota retumbante. Entre as oito categorias em que o seu nome figurou, não houve uma que lhe tivesse sorrido. O rap e o hip-hop, de resto, foram ultrapassados pelo "furacão" Bruno Mars.

Por seu turno, Ed Sheeran, um dos "perdedores" antecipados, venceu nas duas únicas categorias (pop) em que estava nomeado. E ao contrário do que alguns oráculos sugeriam, a noite também não foi de "Despacito", de Luis Fonsi, que perdeu para Bruno Mars nas categorias de Canção e Gravação do Ano.

Como se esperava, o rock foi subalternizado, com os vencedores das categorias a ele subordinados a serem divulgados antecipadamente e a não terem eco na transmissão televisiva. Surpresa para alguns, os War on Drugs levaram para casa o ceptro de Melhor Álbum Rock, com a Canção do Ano neste reduto a ser 'Run', dos Foo Fighters, e a Melhor Performance a ser concedida a 'You Want It Darker', do falecido Leonard Cohen. Os National vencem na categoria de Melhor Álbum de Música Alternativa, com "Sleep Well Beast", que bate discos de Gorillaz, Arcade Fire, Father John Misty e LCD Soundsystem. Estes últimos saíram vencedores na categoria de Melhor Gravação de Dança, graças a 'Tonite', ironicamente uma das canções mais rock do último álbum, "American Dream".

Nota relevante numa noite dominada pelo apoio ao movimento #TimesUp foi o facto de apenas uma mulher ter vencido nas principais categorias: Alessia Cara, eleita Artista Revelação. É certo que Rihanna também subiu ao palco para agradecer um galardão, mas o mesmo foi parar a casa de Kendrick Lamar (Melhor Performance de Rap/cantado, por 'HUMBLE').

É meia-noite e meia em Portugal, menos cinco horas na costa leste dos Estados Unidos, quando as luzes se apagam pela primeira vez na plateia do Madison Square Garden, em Nova Iorque. A abertura é retumbante com rajadas de sátira de Kendrick Lamar, numa atuação que passou por 'XXX' e 'DNA', na qual o rapper - acompanhado de um batalhão de bailarinos - conta com dois cameos de respeito: primeiro Bono e The Edge, dos U2, depois o comediante Dave Chappelle ("I just wanted to remind the audience that the only thing more frightening than watching a black man be honest in America is being an honest black man in America" foi um dos reparos mais notados da cerimónia). Lamar acaba confiante, como que prevendo uma noite vitoriosa.

Está dado o pontapé de saída na 60ª edição dos maiores prémios da indústria musical norte-americana, apresentados pelo britânico James Corden.

As atenções desviam-se para Lady Gaga que, ao piano, interpreta 'Joanne', dedicada à "falecida irmã do meu pai", que mistura com 'Million Reasons'. Primeira referência também ao movimento #TimesUp, que se manifesta contra o assédio sexual.

Momento inaugural de entrega de prémios: John Legend e Tony Bennett entregam o primeiro galardão a Kendrick Lamar, pela melhor performance de rap/cantado, por 'LOYALTY'. Rihanna, que canta neste êxito de "DAMN." também sobe ao palco para, juntamente com Lamar, agradecer o prémio.

Uma cumpridora mas pouco memorável atuação de Sam Smith ('Pray') antecipa a entrega do Grammy para Artista Revelação, categoria em que triunfa Alessia Cara. Fats Domino e Chuck Berry são, pouco depois, recordados num medley de Jon Baptiste e Gary Clark Jr.

Ed Sheeran bate quatro mulheres - Pink, Lady Gaga, Kesha e Kelly Clarkson - e vence na categoria de Melhor Performance Pop a Solo, por "Shape of You". O inglês vence nas únicas duas categorias em que está nomeado, somando também o galardão de Melhor Álbum de Pop Vocal (atribuído antes da cerimónia), mas não está presente no Madison Square Garden.

Luis Fonsi e Daddy Yankee interpretam "Despacito", canção nomeada para as categorias de Canção do Ano e Gravação do Ano. A música latino-americana ganha destaque nos Grammys (não latinos), mas no fim da noite Fonsi vai para casa de mãos a abanar.

Depois de uma interpretação ao vivo de Childish Gambino ('Terrified'), Kendrick Lamar regressa ao palco para receber o prémio de Melhor Álbum Rap, por "DAMN.", batendo - entre outros - Jay-Z. Contudo, não se esquece de um dos artistas que o inspirou a fazer rimas, como faz questão de salientar, e termina com a tirada "Jay a Presidente". Prémio de consolação para o homem de "4:44".

Pink interpreta "Wild Hearts Can't Be Broken", antes de um número cómico pré-gravado com Corden, Sting e Shaggy no metro de Nova Iorque. Segue-se um momento aguardado com expectativa, uma colaboração entre Bruno Mars e Cardi B na remistura de "Finesse". Curto e colorido.

Trevor Noah, apresentador do "Daily Show", entrega o prémio de Melhor Álbum de Comédia a Dave Chappelle, antes de Sting ser chamado a palco, num piscar de olho aos 'velhos' Grammys: a canção escolhida é 'Englishman in New York', êxito de 1987 do inglês. A meio da atuação entra Shaggy, com quem Sting irá editar um álbum, para uma citação de 'Don't Make Me Wait', uma das canções nascidas desta parceria.

Um dos momentos mais aplaudidos da noite é a atuação conjunta de DJ Khaled e Rihanna, com Bryson Tiller, em "Wild Thoughts" - a coreografia é com manequins imóveis que ganham vida. E não se ouvem mais riffs de guitarra ao longo da noite...

Janelle Monáe desfralda a bandeira #TimesUp, contra a "discriminação, assédio e abuso de poder". "Não é só em Hollywood e Washington, é também aqui na nossa indústria". Não por acaso, segue-se uma atuação musical de Kesha, cantora que durante muito tempo se viu afastada das lides musicais devido a uma batalha legal. 'Praying', cantada emotivamente pela norte-americana, conta no coro com Camila Cabello, Julia Michaels, Bebe Rexha, Andra Day e Cyndi Lauper. Simbolicamente, branco é a cor e há lágrimas tanto no palco como na plateia.

Cabe a Camila Cabello ("uma orgulhosa cubano-mexicana aqui no palco dos Grammys, em Nova Iorque") apresentar os U2, que interpretam "Get Out of Your Own Way" num palco junto ao rio Hudson, com a Estátua da Liberdade ao fundo. É uma atuação pré-gravada no final da qual Bono atira um "Abençoados sejam os países de m*rd* porque nos deram o Sonho Americano" num megafone decorado com a bandeira dos EUA.

Sting volta ao palco para entregar o prémio de Canção do Ano. Nada de 'Despacito': quem leva o troféu é Bruno Mars, graças a "That's What I Like".

Cher, John Legend, Snoop Dogg, Cardi B, DJ Khaled e... Hillary Clinton lêem passagens do famigerado livro "Fire and Fury" num sketch de alfinetadas a Donald Trump.

Elton John é o senhor que se segue, ao piano, com a magnífica "Tiny Dancer" a estender a passadeira a Miley Cyrus, que numa irrepreensível intepretação vocal "acountryzada" faz novamente brilhar o êxito de 1971.

Nomeada em cinco categorias, SZA não leva qualquer prémio do Madison Square Garden, mas protagoniza uma bem-sucedida atuação de vibração R&B, quando já não estamos longe do final da cerimónia.

Alicia Keys felicita Greg Kurstin pelo prémio de Produtor do Ano, antes de apresentar os candidatos para Gravação do Ano, a segunda mais importante da cerimónia. Luis Fonsi é despa...chado com zero Grammys. Ganha Bruno Mars com "24K Magic". O artista havaiano ganha aqui o 5º Grammy em 6 possíveis. Mas não ficará por aqui...

Chegamos ao momento capital, com Bono e The Edge, dos U2, a apresentarem a categoria de Álbum do Ano num registo aparentemente improvisado. É o guitarrista que abre o envelope e anuncia o grande vencedor: "24K Magic", de Bruno Mars. O cantor sobe ao palco com toda a sua comitiva e, confessando que esteve a "beber uns copos e a celebrar", pede à Academia que não lhe tire o pio. Agradece aos restantes nomeados, recorda um episódio do início de carreira no Havai (um evento chamado Magic of Polynesia, aos 16 anos), agradece a tudo e a todos e vai-se embora na condição de homem mais feliz do momento.

Os vencedores em cada categoria estão destacados.

Álbum do ano
Childish Gambino – “Awaken, My Love!”
JAY-Z – 4:44
Kendrick Lamar – DAMN.
Lorde – Melodrama
Bruno Mars – 24K Magic

Gravação do ano
Childish Gambino – “Redbone”
Luis Fonsi & Daddy Yankee featuring Justin Bieber – “Despacito”
JAY-Z – “The Story of O.J.”
Kendrick Lamar – “HUMBLE.”
Bruno Mars – “24K Magic”

Canção do ano
Luis Fonsi & Daddy Yankee featuring Justin Bieber – “Despacito”
JAY-Z “4:44”
Julia Michaels – “Issues”
Logic – “1-800-273-8255”
Bruno Mars – “That’s What I Like”

Artista Revelação
Alessia Cara

Khalid
Lil Uzi Vert
Julia Michaels
SZA

Melhor performance pop a solo
Kelly Clarkson – “Love So Soft”
Kesha – “Praying”
Lady Gaga – “Million Reasons”
P!nk – “What About Us”
Ed Sheeran – “Shape Of You”

Melhor performance pop de duo ou grupo
The Chainsmokers and Coldplay – “Something Just Like Us”
Luis Fonsi & Daddy Yankee featuring Justin Bieber – “Despacito”
Imagine Dragons – “Thunder”
Portugal. the Man – “Feel It Still”
Zedd and Alessia Cara – “Stay”

Melhor álbum de pop vocal:
Coldplay – Kaleidoscope EP
Lana Del Rey – Lust For Life
Imagine Dragons – Evolve
Kesha – Rainbow
Lady Gaga – Joanne
Ed Sheeran – ÷ (Divide)

Melhor gravação de dança
Bonobo featuring Innov Gnawa – “Bambro Koyo Ganda”
Camelphat and Elderbrook – “Cola”
Gorillaz featuring DRAM – “Andromeda”
LCD Soundsystem – “Tonite”
Odesza featuring WYNNE and Mansionair – “Line of Sight”

Melhor álbum de dança/eletrónica
Bonobo – Migration
Kraftwerk – 3-D The Catalogue
Mura Masa – Mura Masa
Odesza – A Moment Apart
Sylvan Esso – What Now

Melhor performance rock
Leonard Cohen – “You Want It Darker”

Chris Cornell – “The Promise”
Foo Fighters – “Run”
Kaelo – “No Good”
Nothing More – “Go To War”

Melhor canção rock
Metallica – “Atlas, Rise!”
K.Flay – “Blood in the Cut”
Nothing More – “Go to War”
Foo Fighters – “Run”
Avenged Sevenfold – “The Stage”

Melhor álbum rock
Mastodon – Emperor of Sand
Metallica – Hardwired…To Self-Destruct
Nothing More – The Stories We Tell Ourselves
Queens of the Stone Age – Villains
The War on Drugs – A Deeper Understanding

Melhor álbum de música alternativa
Arcade Fire – Everything Now
Gorillaz – Humanz
LCD Soundsystem – American Dream
Father John Misty – Pure Comedy
The National – Sleep Well Beast

Melhor performance de metal
August Burns Red – “Invisible Enemy”
Body Count – “Black Hoodie”
Code Orange – “Forever”
Mastodon – “Sultan’s Curse”
Meshuggah – “Clockworks”

Melhor performance R&B
Daniel Caesar featuring Kali Uchis – “Get You”
Kehlani – “Distraction”
Ledisi – “High”
Bruno Mars – “That’s What I Like”
SZA – “The Weekend”

Melhor canção R&B
PJ Morton – “First Began”
Khalid – “Location”
Childish Gambino – “Redbone”
SZA – “Supermodel”
Bruno Mars – “That’s What I Like”

Melhor álbum urbano contemporâneo
6LACK – Free 6LACK
Childish Gambino – “Awaken, My Love!”
Khalid – American Teen
SZA – Ctrl
The Weeknd – Starboy

Melhor Álbum R&B
Daniel Caesar – Freudian
Ledisi – Let Love Rule
Bruno Mars – 24K Magic
PJ Morton – Gumbo
Musiq Soulchild – Feel the Real

Melhor performance rap
Big Sean – “Bounce Back”
Cardi B – “Bodak Yellow”
JAY-Z – “4:44”
Kendrick Lamar – “HUMBLE.”
Migos featuring Lil Uzi Vert – “Bad and Boujee”

Melhor performance rap/cantado:
6LACK – “Prblms”
Goldlink featuring Faiyaz & Shy Glizzy – “Crew”
JAY-Z featuring Beyoncé – “Family Feud”
Kendrick Lamar featuring Rihanna – “LOYALTY.”
SZA featuring Travis Scott – “Love Galore”

Melhor canção rap
Cardi B – “Bodak Yellow”
Danger Mouse featuring Run the Jewels and Big Boi – “Chase Me”
Kendrick Lamar – “HUMBLE.”
Rapsody – “Sassy”
JAY-Z – “The Story of O.J.”

Melhor álbum rap
JAY-Z – 4:44
Kendrick Lamar – DAMN.
Migos – Culture
Rapsody – Laila’s Wisdom
Tyler, the Creator – Flower Boy

Melhor banda-sonora para media visual
Baby Driver
Guardians of the Galaxy Vol 2.: Awesome Mix Vol. 2
Hidden Figures
La La Land
Moana: The Songs

Melhor partitura para media visual
Jóhann Jóhannsson – Arrival
Hans Zimmer – Dunkirk
Ramin Djawadi – Game of Thrones: Season 7
Benjamin Wallfisch, Pharrell Williams & Hans Zimmer – Hidden Figures
Justin Hurowitz – La La Land

Melhor álbum de comédia
Dave Chappelle – The Age of Spin & Deep in the Heart of Texas
Jim Gaffigan – Cinco
Jerry Seinfeld – Jerry Before Seinfeld
Sarah Silverman – A Speck of Dust
Kevin Hart – What Now?

Melhor álbum de spoken word
Neil deGrasse Tyson – Astrophysics for People in a Hurry
Bruce Springsteen – Born to Run
Shelly Peiken – Confessions of a Serial Songwriter
Bernie Sanders and Mark Ruffalo – Our Revolution: A Future to Believe In
Carrie Fisher – The Princess Diarist

Melhor canção escrita para media visual
Ryan Gosling and Emma Stone – “City of Stars” (La La Land)
Lin Manuel Miranda – “How Far I’ll Go” (Moana)
Zayn and Taylor Swift – “I Don’t Wanna Live Forever” (Fifty Shades Darker)
Sia – “Never Give Up” (Lion)
Andra Day featuring Common – “Stand Up For Something” (Marshall)

Produtor do ano, não clássico
Calvin Harris
Greg Kurstin
Blake Mills
No I.D.
The Stereotypes

Melhor videoclip
Beck – “Up All Night”
Jain – “Makeba”
JAY-Z – “The Story of O.J.”
Kendrick Lamar – “HUMBLE.”
Logic featuring Alessia Cara and Khalid – “1-800=273-8255