Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

Mark E. Smith, dos The Fall

Getty Images

Morreu Mark E Smith, dos The Fall

O influente músico britânico contava 60 anos

Morreu Mark E Smith, mentor dos Fall e seu único membro constante desde a formação da banda. Contava 60 anos e a causa de morte não foi divulgada.

A notícia foi avançada ao início da noite desta quarta-feira pela manager da banda, Pam Van Damned. "É com pesar que anunciamos o falecimento de Mark E Smith. Morreu esta manhã em sua casa. Um comunicado mais pormenorizado será emitido nos próximos dias. Entretanto, Pam e a família de Mark pedem privacidade neste momento triste".

Em agosto de 2017, os Fall viram-se forçados a cancelar uma digressão nos Estados Unidos devido à hospitalização de Smith. Problemas de garganta e do sistema respiratório foram avançados como razão dos cancelamentos "Seria arriscado voar com a saúde de Mark nestas condições", referiu a manager da banda em comunicado. Quando a banda regressou aos palcos, no passado mês de outubro, no Reino Unido, o músico atuou sentado numa cadeira de rodas. O derradeiro concerto dos Fall teve lugar a 4 de novembro, em Glasgow, na Escócia.

Nascido nos arredores de Manchester a 5 de março de 1957, Mark E. Smith formou os Fall com 19 anos, em 1976, depois de assistir a um concerto dos Sex Pistols em Manchester. Apesar de inicialmente ligados ao movimento punk, os Fall conheceram diversas inflexões estilísticas ao longo de mais de 40 anos de percurso, sempre com Mark E Smith ao leme. O radialista e divulgador inglês John Peel era um dos seus mais notados admiradores: "Sempre diferentes, sempre iguais", disse do grupo.

A banda de culto britânica lançou 32 álbuns, tendo o último - "New Facts Emerge" - sido lançado em 2017. "Perverted By Language" (1983), "This Nation's Saving Grace" (1985) ou "The Frenz Experiment" (1988) encontram-se entre os seus álbuns mais elogiados. Ao longo dos anos 80, canções como "How I Wrote 'Elastic Man'", "Hit the North" ou "Victoria" (versão dos Kinks) impuseram o cunho dos Fall no cenário indie britânico.

Pelos Fall passaram quase 70 músicos e famoso ficou também o caráter irascível do seu fundador. A história deste é contada na primeira pessoa na autobiografia "Renegade: The Lives And Tales Of Mark E Smith", editada em 2008. Fora da música (mas não tanto), teve em 2002 uma pequena participação no fime "24 Hour Party People", de Michael Winterbottom, centrado na cena musical de Manchester - e na Factory, de Tony Wilson, em particular - nos anos 70 e 80.

O grupo tocou várias vezes em Portugal, a últimas das quais em 2013 no festival Barreiro Rocks.