Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

Josh Homme sobre suicídios no rock: “Não espero que o mundo seja bonzinho para mim”

Em entrevista à BLITZ de setembro, o líder dos Queens of the Stone Age comentou a morte de Chester Bennington, dos Linkin Park, e Chris Cornell, dos Soundgarden

Lia Pereira

Lia Pereira

Jornalista

Josh Homme, vocalista e guitarrista dos Queens of the Stone Age, está na capa da BLITZ de setembro, já nas bancas, com uma longa entrevista sobre o novo disco da banda, Villains, e muitos outros temas.

Quanto questionado sobre o suicídio recente de Chester Bennington, dos Linkin Park, e Chris Cornell, dos Soundgarden, e o consequente debate sobre saúde mental entre os profissionais da música, Josh Homme deu a seguinte resposta:

"Quando estamos dispostos a dedicar a nossa vida à arte, a instabilidade faz parte daquilo que aceitamos. Não é por isso que é mais fácil, mas torna-se parte da rotina diária de estarmos vivos. No fundo, o que tu fazes [enquanto artista] é tentar amplificar as coisas. Então nunca pensei nessa discussão. Porque amplificar desgostos e alegrias é o nosso trabalho. É isso que fazemos".

"Sentamo-nos na beira do precipício, com os pés a balouçar e os tornozelos bem firmes no chão, a documentar o que vemos. Algumas pessoas caem. Sempre foi assim. E outras pessoas afastam-se do precipício e não chegam a ver. Não quero parecer frio, mas penso que talvez seja esse o preço que aceitas pagar. Não quero que ninguém se mate, e Deus sabe que já estive num buraco o mais fundo possível. Mas, mais uma vez, eu não espero que o mundo seja bonzinho. Bonzinho para mim. Essa talvez seja a exigência mais tola das que fazemos ao mundo".

Para ler a entrevista de Josh Homme na íntegra, consulte a BLITZ de setembro, já nas bancas.