Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

Rita Carmo

Como o Quarteto 1111 foi parar ao álbum de Jay-Z. “Ficámos com uma percentagem simpática”, diz Tozé Brito

“Todo o Mundo e Ninguém”, tema escrito a partir de um texto de Gil Vicente e publicado pelo Quarteto 1111 em 1970, foi samplado pelo rapper americano para um dos temas de “4:44”, o seu novo álbum. Tozé Brito explica-nos como tudo aconteceu

Foi há cerca de seis semanas que Tozé Brito recebeu da Sociedade Portuguesa de Autores a notificação de que Jay-Z pretendia usar um sample do tema “Todo o Mundo e Ninguém” no seu novo trabalho. "Ainda não ouvi o resultado final e estou muito curioso", confessou o compositor português em declarações à BLITZ. "Fiquei muito espantado quando soube que eles queriam usar o tema. Ainda não consegui entender como foram eles lá em Nova Iorque descobrir uma música que foi lançada cá em single em 1970".

"Todo o Mundo e Ninguém" tem uma história curiosa: "Quando saí do Pop Five Music Incorporated", explica Tozé Brito referindo-se ao seu primeiro grupo, "o José Cid fez-me logo um desafio: 'vais deixar de escrever em inglês, tens aqui este texto do Gil Vicente, faz uma música para isso'. Depois, acabámos a trabalhar a letra e o arranjo juntos. Foi o primeiro tema que escrevi para o Quarteto 1111".

"Penso que esta é a primeira vez que um sample é assim usado, a este nível. O Jay-Z é um artista de escala mundial", refere Tozé Brito. "O pedido apareceu aqui na SPA há umas seis semanas, demos logo autorização, negociámos uma percentagem... simpática. E recebemos à cabeça uma verba simbólica".

"Marcy Me" é o penúltimo tema no alinhamento de 4:44, álbum produzido por No I.D. que, em princípio, terá sido o responsável pela descoberta do sample.

Ouça aqui um excerto do tema de Jay-Z:

E o original do Quarteto 1111: