Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

Getty Images

Daesh reivindica atentado que fez 22 mortos em concerto de Ariana Grande

O auto-proclamado Estado Islâmico reclama a autoria do atentado na Manchester Arena. A primeira-ministra britânica, Theresa May, diz que já foi identificado o principal suspeito.

O auto-proclamado Estado Islâmico (Daesh) reivindicou esta manhã o ataque de ontem na Manchester Arena, que causou 22 mortos e 59 feridos após um concerto da cantora norte-americana Ariana Grande.

O grupo terrorista diz que o bombista suicida é um dos seus “soldados do califado” numa mensagem divulgada através da rede social Telegram, detida pelo empresário russo Pavel Durov.

A polícia britânica anunciou que um indivíduo, de 23 anos, foi detido hoje em Manchester por suspeitas de envolvimento no ataque.

O atentado ocorreu às 22h30 de ontem. A polícia foi chamada às 22h33, depois uma forte explosão sentida na Manchester Arena após Ariana Grande ter terminado o seu concerto e quando milhares de pessoas se dirigiam para a saída da sala. Um dispositivo explosivo foi detonado por um bombista suicida que morreu no local.

Foi o pior ataque terrorista em Inglaterra desde os atentados bombistas de Londres, em julho de 2005, na sequência do qual morreram 52 pessoas.

Veja aqui vídeos e fotos da noite trágica de Manchester.