Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

Há 40 anos, Iggy Pop deixou de ser quem era com uma ajudinha de David Bowie

Depois dos Stooges, Iggy Pop juntava-se a David Bowie para iniciar o seu percurso a solo. The Idiot sai no mesmo ano de Lust For Life e nós recordamos o momento em que a “iguana” se transforma num “monstro”

O caminho a solo de Iggy Pop na música começou a traçar-se, em boa medida, a 18 de março de 1977, quando ficamos a conhecer The Idiot, o álbum que marcou não só a estreia individual da "iguana" como o início de uma parceria memorável com David Bowie, que editava Low, no mesmo ano.

Em finais de 1976, Bowie e Pop mudavam-se para Berlim. Para além da casa, partilharam também interesses comuns na música e daí resultou uma colaboração histórica entre os dois artistas. The Idiot e Lust For Life, os dois primeiros registos individuais de Iggy Pop, foram compostos e produzidos em conjunto pelos dois artistas, aos quais se juntou Carlos Alomar, guitarrista que acompanhou Bowie durante muitos anos, em "Sister Midnight", o tema de abertura de The Idiot.

Mais tarde, Bowie regravou este tema com uma nova letra (a que chamou "Red Money") e fez também uma versão alternativa de "China Girl", tema que muito facilmente associamos à voz de Bowie (e a Let's Dance) mas que foi, de facto, gravado primeiro por Iggy Pop.

De Berlim, passaram para França e foi numa vila perto de Paris que gravaram grande parte do álbum, no Château d'Hérouville. A Iggy Pop e David Bowie juntaram-se Laurent Thibault no baixo e Michel Santangeli na bateria. Bowie já lá tinha estado. E para além do ícone da pop, que lá gravou o seu álbum de 1973 Pin Ups, o castelo francês do século XVIII recebeu também gravações de Elton John, Pink Floyd, Bee Gees, Fleetwood Mac e até mesmo José Afonso, com o álbum Cantigas do Maio, de 1971.

De volta à Alemanha, as gravações terminaram em Munique com o guitarrista Phil Palmer, Dennis Davis na bateria e George Murray no baixo, sem esquecer Alomar e a sua interpretação na guitarra-ritmo em "China Girl".

Paralelamente à produção de The Idiot, Bowie estava também a trabalhar em Low, que saiu em janeiro do mesmo ano. Embora se acredite que a maioria dos temas do álbum de estreia de Iggy Pop foi gravada antes dos que viriam a integrar Low, o álbum de Bowie foi editado primeiro.

Se em The Idiot o trabalho conjunto de Bowie e Pop é tido como certo, os créditos do álbum são pouco claros e até inexistentes, em alguns casos, deixando dúvida sobre a qual dos dois devem ser atribuídas as letras e as músicas.

O título é uma clara alusão à obra de Fiodor Dostoyevsky com o mesmo nome. Como influência musical, Iggy Pop aponta o grupo de música eletrónica alemão Kraftwerk e o kraut-rock (evidente, por exemplo, em "Nightclubbing", tema que ganharia outra vida na voz de Grace Jones).

MD