Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

Andy Butler, líder dos Hercules & Love Affair

Joie Iacono

Hercules & Love Affair preparam álbum “negro mas otimista”: “Há revolução no ar, sem dúvida”

O coletivo liderado por Andy Butler atua esta noite no Lisboa Dance Festival

Os Hercules & Love Affair atuam esta noite no Lisboa Dance Festival (Fábrica XL, 22h30, na Lx Factory) e apresentarão música nova, a lançar num novo álbum ainda com data de edição por confirmar e cujo primeiro single é "Controller", tema que conta com a colaboração vocal de Faris Badwan, dos Horrors.

Em entrevista à BLITZ e ao Expresso, Andy Butler, líder do projeto, falou sobre um disco "que pode ser encarado como mais negro, mas [que], em última instância, é bastante otimista", defendendo que a sua música "reflete os tempos difíceis que vivemos".

"Quando vês déspotas horríveis a ascender ao poder ou a intolerância a ser professada de forma mainstream ou questões ambientais a serem empurradas, de forma proativa, para o fim da lista de prioridades dos governos… Quando vês coisas destas, que são revoltantes, o que acaba por acontecer é que as pessoas sentem a necessidade de partir para a ação e ficam mais motivadas e acordadas", acrescenta Butler.

O músico diz ainda que o sucessor de The Feast of the Broken Heart (2014) é sobre "o despertar": "há revolução no ar, sem dúvida, mas para ela existir é preciso que muitos, mas mesmo muitos, indivíduos acordem". Esse "despertar" é válido também para as pessoas que votaram em Donald Trump ou a favor do Brexit, diz Butler, "essas pessoas têm de passar por um renascimento, também. Que levantem a mão, digam simplesmente 'sou racista' e as retaliações e as coisas com as quais serão confrontadas poderão significar que, em última instância, depois de um processo pouco confortável e possivelmente violento, as coisas mudem".

"Não penso que as pessoas que dizem coisas verdadeiramente problemáticas sejam más", conclui, "muitas vezes são movidas pelo medo. Parte deste álbum é expressão de um processo pessoal: eu a ir de encontro aos meus próprios medos, permitindo-me reconhecer e admitir que também posso tomar decisões e agir, na minha vida, com base no medo. Até a pessoa mais educada e liberal entre nós também tem de olhar para si própria e reconhecer essas coisas, com humildade, constantemente".

Ouça "Controller" abaixo e leia o resto da entrevista com Hercules & Love Affair seguindo este link e na revista E do Expresso que hoje chega às bancas.