Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

Billy Corgan

Getty Images

Billy Corgan, dos Smashing Pumpkins, quis matar-se quando os Nirvana e os Pearl Jam se tornaram enormes

O músico confessou ter sentido um "forte impacto emocional" aquando da edição de Nevermind e Ten

Billy Corgan, dos Smashing Pumpkins, deu recentemente uma entrevista ao podcast Why Not Now? onde falou dos primeiros tempos da banda - e dos "rivais".

Lançado em 1991, Gish, álbum de estreia dos Smashing Pumpkins, teve relativo sucesso nas tabelas de vendas, atingindo o milhão de cópias vendidas. No entanto, foi ultrapassado, pouco depois, por Nevermind e Ten, discos dos Nirvana e Pearl Jam, respetivamente.

Corgan confessou que o sucesso de uma e de outra o deixou emocionalmente abalado, ao ponto de pensar em suicidar-se. "Num curto espaço de tempo, fui do sucesso dentro do meu campo à ideia de que todas as regras no meu campo tinham mudado", explicou.

"Tudo o que eu tinha construído, o que queria ser e fazer, já não era tão relevante quanto precisava. Entrei numa depressão longa, não conseguia escrever canções. Cheguei a ter manhãs na minha vida em que as hipóteses eram atirar-me de uma janela ou prosseguir", disse ainda.

Pensamentos esses que, segundo Corgan, levaram a "Today", tema presente em Siamese Dream (1993). "É um comentário seco ao suicídio, mas a essência da letra é a de que todos os dias são bons dias se os deixares".