Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

Getty Images

Neil Portnow, presidente da Recording Academy, diz que não existe qualquer “problema racial”

O responsável máximo pelos Prémios Grammy reagiu desta forma à polémica em torno das vitórias de Adele

Beyoncé foi uma das grandes derrotadas dos Prémios Grammy deste ano, levando vários músicos, e não só, a acusar a Recording Academy, responsável pela cerimónia, de racismo.

Para Neil Portnow, presidente da Academy e responsável máximo pelos Prémios, tais acusações são infundadas: "Não existe qualquer problema racial", garante.

Em declarações à Pitchfork, Portnow explica que os álbuns e artistas nomeados são sujeitos a votação, que não é "baseada em raça, género ou etnia". "Quando se vota numa peça musical, põe-se uma venda e escuta-se", comentou.

Portnow comparou ainda os Prémios Grammy com a cerimónia dos Óscares, que nos últimos anos tem sido alvo dessas mesmas acusações, por deixar várias vezes de parte atores negros. "Eles podem ter tido um problema, mas nós não o temos dessa forma", disse.

Beyoncé continua sem conquistar um Grammy para Melhor Álbum do Ano, tendo à terceira tentativa sido vencida por Adele, que durante o seu discurso de vitória admitiu que a norte-americana é que deveria ter ganho. "Que raio tem ela de fazer para ganhar [o prémio de] Melhor Álbum do Ano?", comentou então.