Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

Há 20 anos, os Blur e meio mundo gritavam “woo-hoo”

Em 1997, o álbum homónimo da banda britânica marcou uma mudança de estilo e a rutura com a britpop. Nada voltaria a ser igual para Damon Albarn, Graham Coxon e companhia

A 10 de Fevereiro de 1997, os Blur lançavam o seu quinto álbum. Depois de vários trabalhos enquadrados pela estética britpop e alguns desentendimentos entre os membros da banda, tinha chegado a altura de mudar.

Blur marcou um ponto de viragem no percurso da banda. Se Parklife (1994) e The Great Escape (1995), bandeiras do movimento britpop, levaram os Blur até ao topo da tabela britânica, “Song 2”, o single mais emblemático do novo álbum, fez chegar o sucesso da banda a território americano. "Woo-hoo" foi um dos "gritos de guerra" do verão de 1997 e, desde então, a canção é uma das mais aguardadas em qualquer concerto da banda.

Não particularmente consensuais desde a eclosão da "guerra" com os Oasis (a "batalha" da britpop), Damon Albarn e parceiros decidiram afastar-se do território ocupado pelos "rivais", mas também por outras forças vigentes, como os Suede e os Pulp.

É nesse contexto que surge Blur, o álbum homónimo gravado entre Londres e a Islândia, com uma sonoridade nova onde se faz notar a influência do indie rock americano - na altura, os Pavement foram mencionados elogiosamente pela banda. O gosto de Graham Coxon pelo lo-fi e pelo underground ianque foi determinante. Albarn, até aí crítico do rock que se fazia do outro lado do Atlântico, acabou por juntar a sua voz à do guitarrista.

"Blur", quarto álbum dos Blur, lançado a 10 de fevereiro de 1997

"Blur", quarto álbum dos Blur, lançado a 10 de fevereiro de 1997

Em alguns quadrantes, temia-se que esta nova roupagem mais abrasiva e rugosa pudesse vir a afastar os fãs dos trabalhos anteriores, mas o resultado esteve nos antípodas do fracasso. Blur manteve a banda em alta em Inglaterra e na Europa continental e "furou" nos Estados Unidos, até aí reticentes no abraçar da vaga britpop.

Antes de “Song 2”, já “Beetlebum” tinha aberto o caminho:

Merece também destaque “M.O.R.”, que conta com os acordes "emprestados" de “Boys Keep Swinging” e “Fantastic Voyage”, de David Bowie.

Em Agosto de 1997 (apenas alguns meses depois de editarem o álbum), os Blur atuaram em Portugal na primeira edição do Festival Sudoeste. "Song 2" foi a última das 21 canções interpretadas.

Blur no Festival Sudoeste, a 8 de agosto de 1997

Blur no Festival Sudoeste, a 8 de agosto de 1997

Arquivo BLITZ

Mais recentemente, os Blur marcaram presença no NOS Primavera Sound, no Porto, em 2013 e no festival Super Bock Super Rock, em Lisboa, em 2015. “Song 2”, claro, não faltou no alinhamento. "Não seríamos convidados para atuar em festivais se não tocássemos 'Song 2'», admitiria o baterista Dave Rowntree, em 2015, à rádio inglesa XFM.

Blur no NOS Primavera Sound, a 31 de maio de 2013

Blur no NOS Primavera Sound, a 31 de maio de 2013

Rita Carmo

Blur no Super Bock Super Rock, a 17 de julho de 2015

Blur no Super Bock Super Rock, a 17 de julho de 2015

Rita Carmo

MD

  • O melhor da Britpop

    Playlists

    A guerra Oasis vs Blur tem 20 anos, mas a britpop também teve música. E boa. Recordamos aqui alguns clássicos, mas também algumas músicas que o tempo esqueceu e que vale a pena voltar a ouvir.