Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

Mariah Carey na passagem de ano 2016/17, Nova Iorque

Eugene Gologursky

Representantes de Mariah Carey sugerem que cantora foi alvo de sabotagem

A equipa da cantora considera que a produtora do espetáculo fez tudo para que Mariah falhasse

Lia Pereira

Lia Pereira

Jornalista

Depois da atuação falhada na passagem de ano em Nova Iorque, Mariah Carey limitou-se a comentar, no Twitter, que “estas merdas acontecem”. Mas a sua equipa tem-se desdobrado em possíveis explicações para o sucedido.

Em comunicado, a manager da cantora, Stella Bulochnikov, culpou a produção do espetáculo por ter permitido que a atuação acontecesse, mesmo que os auriculares de Mariah Carey não estivessem a funcionar, imediatamente antes da sua entrada em palco. Bulochnikov pediu também que a transmissão para a Costa Oeste dos Estados Unidos fosse cancelada, pedido recusado pelas Dick Clark Productions.

"Disseram que não o podiam fazer. Perguntei-lhe por que razão é que quereriam transmitir uma atuação com falhas técnicas, a menos que quisessem obter reações de espanto a qualquer custo. Não é bom para os artistas", argumenta a manager.

Na Costa Oeste dos Estados Unidos, a atuação seria transmitida sem alterações à transmissão original.

Por seu turno, Nicole Perna, representante de Mariah Carey, escreveu em comunicado que as Dick Clark Productions fizeram tudo para que a cantora "falhasse".

Na resposta, a produtora afirma que sugerir que é sua intenção "prejudicar o sucesso de qualquer artista é difamatório, ridículo e francamente absurdo". A DCP acrescenta ainda que uma primeira investigação ao sucedido confirma a sua inocência.

Em palco, Mariah Carey confessou que não tinha feito soundcheck. A produtora garante que foi a artista a recusar-se a ensaiar.

Segundo a Billboard, as falhas terão tido origem num auricular na frequência errada, cuja responsabilidade caberia à equipa de som da própria Mariah Carey.