Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

Getty Images

A música da Web Summit: da Sub Pop ao Spotify

Arranca hoje uma nova edição da conferência internacional sobre tecnologia, que pela primeira vez se realiza em Portugal

Tem hoje início a oitava edição da Web Summit, uma conferência internacional sobre tecnologia, que se realiza pela primeira vez em Portugal, dividindo.se entre a MEO Arena e a FIL, em Lisboa.

Até quinta-feira, dia 10 de novembro, passarão pela Web Summit várias figuras de renome, como o ator Joseph Gordon-Levitt, o futebolista Ronaldinho e o Primeiro-Ministro de Portugal, António Costa, para uma série de palestras sobre os mais variados assuntos, relacionados com tecnologia e inovação.

No que à música diz respeito, haverá muito por descobrir na Web Summit. Ali também estarão presentes artistas como Tinie Tempah e Ne-Yo, para além de nomes como Seth Farbman (fundador do Spotify), Eric Wahlforss (fundador do SoundCloud), Bruce Pavitt (fundador da Sub Pop) e, ainda, representantes de websites como a Pitchfork ou festivais como o South by Southwest.

Será talvez Pavitt a reunir o maior interesse da parte dos melómanos presentes na Web Summit, ele que é responsável direto pela popularização do género conhecido como grunge, através da sua editora. Nomes como Nirvana, Soundgarden e Mudhoney fazem parte do seu vasto currículo. Mas também Seth Farbman terá voltados sobre ele vários olhos - ou ouvidos -, numa altura em que muito se discute o futuro da música e o papel de plataformas de streaming como o Spotify.

A Web Summit não se limitará, evidentemente, a falar sobre música; também fará com que os presentes a ouçam. A plataforma Tradiio, que também estará representada na conferência, organizará no Estúdio Time Out (Mercado da Ribeira) um concerto dos Throes + The Shine e DJ sets de Da Chick e Mike El Nite. Na Galeria Zé dos Bois, será a plataforma Bondlayer a organizar a festa, para isso contando com BLEID e Puto Márcio.

  • O futuro da música segundo os U2

    Notícias

    Com Songs of Innocence os U2 inscreveram um dos episódios mais acesos da indústria discográfica em 2014, levantando reflexões sobre novos caminhos para a distribuição e o debate sobre a necessidade de pagar a música que se faz e consome. Nuno Galopim reconstitui e analisa o significado daquela que poderá ser a mais arrojada investida de sempre de Bono e parceiros