Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

Rita Carmo

Debaixo da Língua no Sol da Caparica: “Não escolho o momento de escrever”, confessa Márcia

A propósito de mais uma edição do festival Sol da Caparica, Rui Miguel Abreu volta a puxar pela lingua de uma série de artistas que fazem música com os ecos da lusofonia. Começamos com Márcia

A primeira interlocutora da série de conversas Debaixo da Língua de 2016 foi Márcia, a cantora que recentemente lançou o álbum Quarto Crescente.

"As músicas do Quarto Crescente foram surgindo como sempre me surgem as músicas: no meio da rua, a meio da noite, enquanto cozinho. Eu não escolho o momento de escrever, aliás aparecem as canções quando dá menos jeito", confessa Márcia. "Na altura de gravar as maquetes, aí sim, se falta alguma frase ou palavra, fico ali à procura, penso em rimas, mudo o sentido, conto silabas... mas geralmente uma canção quando aparece já vem com a ideia do que quer falar".

Quem faz música e canta também se forma a escutar outras vozes e Márcia não foge à regra: "Ouvi muita música. Não muita em português, confesso. Entre portugueses ouvi Zeca, Vitorino e GNR em miúda. De resto, as novelas brasileiras (sobretudo o Roque Santeiro) é que me deram um gosto maior pela canção em português, mas brasileira".

E Márcia gosta da nossa língua? "É difícil de encaixar e de fazer soar bem. O brasileiro já não; é mais bonito e cantado. O português é duro e muito especifico. Por isso é muito divertido escrever em Português.

Hoje há muito mais músicos a escrever em português, o que, creio, pode ajudar a descomplexar a língua, tornar mais fácil a aceitação das palavras. Na verdade eu acho que somos todos muito envergonhados, e é só esse o problema de Portugal".

Para a edição de 2016 o Sol da Caparica volta às conversas em português no projecto Debaixo da Língua. Em 2015, estes debates escutaram as vozes de gente como Sérgio Godinho, Paulo Flores, Tim, Capicua, Carlão ou Miguel Araújo e resultaram num livro lançado durante o festival. Este ano regressam as conversas: debate-se com artistas, com letristas ou até técnicos de som as particularidades da relação da nossa língua com a música que depois a carrega por esse mundo fora.