Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

YouTube vai começar a oferecer exclusivos

A mais popular plataforma de streaming está a investir dezenas de milhões de dólares em novo projeto. E não deve ficar por aqui

Em resposta ao investimento de outras plataformas de streaming (como a Apple Music, que financiou grandes produções vídeo para artistas como Drake ou Coldplay), o YouTube - pertença do Google - vai criar vídeos exclusivos para artistas emergentes através de uma iniciativa denominada Foundry. De acordo com o Bloomberg, é de esperar que as primeiras sessões ao vivo, registadas em Londres e Los Angeles, surjam no YouTube esta semana. Outra sessão deverá decorrer em Nova Iorque no final do mês, na qual estarão envolvidos cinco artistas também em início de carreira, entre os quais BJ The Chicago Kid e Gemaine.

Este será apenas um primeiro passo de um envolvimento com a música que se adivinha maior, sublinha a Music Business Worldwide. Conversações com altos responsáveis da indústria discográfica irão acontecer nas próximas semanas, tendo em vista uma "colaboração mais profunda". O Bloomberg sugere que nesses encontros o YouTube irá definir "maneiras de melhor promover os artistas e fornecer mais vídeos exclusivos ao serviço.

Em troca com o compromisso com o YouTube, serão oferecidos aos artistas benefícios que passam pela oportunidade de fazer parte de "web series" na plataforma. E os recursos de produção e pós-produção do YouTube também deverão ser postos à disposição dos artistas para que estes possam rodar os seus vídeos.

O Music Business Worldwide avança um cenário provável: o YouTube terá como alvo os managers de artistas de topo, oferecendo-se para pagar tudo o que for preciso para a criação de vídeos exclusivos para a plataforma, em paralelo com um compromisso "apetitoso" de promoção e marketing.

Estas movimentações surgem numa altura em que a renovação de contrato do YouTube com a Universal ainda não ocorreu e em que dados globais de streaming indicam que a plataforma da Google é, de longe, quem paga menos aos artistas.